Arquivo da tag: tímida

School Days – Review: A Tímida ou a Safadinha, qual você Escolhe?

E vamos para mais um “Conversando sobre Animes“, desta vez uma Review bastante completa e com spoilers, sobre School Days. Caso você ainda não tenha visto este anime e queira ler um texto sem spoiler algum, basta ver a Crítica dele. Mas caso você queira spoilers, vem comigo!

Amigas e Rivais! Ahh essa é uma novela…

School Days – Review: A Tímida ou a Safadinha, qual você escolhe?

Olá meus bons amigos e amiguinhas,  vim por mais uma na tentativa humilde de traçar o sentido dessa animação, ou seja, de dizer o que ela quer dizer. Além claro de defender a pobre da Sekai, porque caramba, todo mundo odeia ela. Lembrando que vi esse anime graças à dona Andresa, bjos para ti ;).

Não é o Charlie Harper!

Quem diria que ele abriria um bordel no fim né?!

Antes de tudo, vamos falar um pouco do Makoto. Assim, esqueçam dele ser um cara cheio de manhas e coisas do tipo. Apesar de pegador num harém, o Makoto não é o Charlie Sheen. Não é engraçado nem homem de verdade.

Enquanto ele ia pegando a escola toda eu ia pensando “Será que não vai aparecer nenhuma grávida não é? Além de sortudo, é cagudo esse menino!” Como sou um nerd moralista muito do chato, assisti tenso.

Imagem Moe, fuja para as colinas! — no anime é bem pior…

Torci horrores pela Sekai e depois pela Setsuna — nossa, a cena que ele ‘estupra’ ela prometendo que tomaria conta da Sekai, me enfureceu muito! Claro que depois soubemos que ela gostava dele antes, mas puutz, o insuportável estuprou ela!

Setsuna sou seu fã menina, achei muito kawaai quando você beijou ele! Sobre a Kotonoha, meio que não fui com a cara dela porque bem, não me dou bem com minas tímidas

Mas isso não importa, hehe.

Os Dois lados da História

Alguma mina parece com a Sekai ai? Se tiver, Beijo me liga!

Ao meu ver, o anime nos mostra dois lados distintos: a Kotonoha (tímida e virginal) representa o velho olhar japonês: o não transar antes do casamento, e tudo isso; enquanto a Sekai, que é bem sensual, diga-se, é o outro lado: o fazer sexo pela própria vontade e fazer tudo para conquistar aquele quem ama. Quase ocidental.

No final a historia ‘desandou‘ por conta do ditado máximo: quando um monte de mina quer um cara só, o cara come sem dó nem piedade Mermo. Mas uma questão dentro da questão do Japão Velho VS Japão Novo é o fato desse ser o primeiro harém que eu vi, contado com a visão feminina. Ou seja, quem nos traz a historia não é o Makoto Pegador, mas sim, as meninas que sofrem por se envolverem com ele: como expus na crítica. Logo, sendo uma historia contada por mulheres, o público é o feminino. Ou seja, o diretor nos mostra o seguinte:

“Tu fez sexo porque é gostoso? E o cara q fez manda bem? Cuidado, porque quanto tu engravidar, ele não vai estar nem aí pra você. Pior, ele vai ficar com a mina do Japão Velho, porque ela é ‘santinha‘ e faz tudo o que ele quer…além de passar o rodo quando tu não tiver olhando…”

“Que susto! Dá nele Sekai!”

O diretor nos deixou isso muito claro quando a pobre da peituda simplesmente se anulou por valores antigos — da mãe — onde as mulheres deveriam aguentar tudo pelo seu ‘amado’ — bons tempos, aiai.

Ai bem, depois da pegação geral onde todo mundo Comeu alguém menos EU, a morte foi no mínimo o esperado pelo público feminino — e foda-se, o cara não tinha a mínima ombridade, não era homem, morreu e mereceu! O que me faz pensar que ele é o tipo de homem que Nós não devemos ser… por isso o ecchi para todo mundo assistir e não penas um determinado publico. Como o anime está falando para todos (tanto pelo ecchi, quanto pelo olhar mais feminino de mostrar as visões das garotas sofrendo), e como bem sabemos que crimes passionais são comuns em ambos os sexos.

Classificação do anime

Nem adianta botar essa cara Setsuna…

Agora falando sobre a Classificação dele, ainda não consigo dizer que é um anime harém, romance, drama ou tragédia. Por quê? Oras, bem sabemos que quando um cara pega uma, pega todas mesmo — as minas ficam doidas!

Sem contar que é o primeiro que vejo, onde o cara pega TODAS AS MINAS  — Oh baby yeah, Austin Powers Aproves! Claro que depois eu vi outros com quase essa pegada, como White Album, por exemplo. Mas como disse, Makoto não era homem de verdade. Não penso ser romance visto que somente as minas amavam, e ele nunca amou ninguém.

Como mulher Sofre, nossa!

Não é drama porque a narração feminina não nos leva a sofrer junto com elas. Tampouco é tragédia, porque apesar dela ser ‘esperada’ ela não foi ‘anunciada’. Como assim?

 

A gente podia esperar alguém se suicidando — eu tinha certeza que a Kotonoha ia pro beleléu! Mas não que alguém fosse cometer um crime passional; logo, visto que toda tragédia é uma tragédia por sabermos que vai se dar, não posso chamar de tragédia.

-Então o que é esse anime seu Tassio?

Meus amigos : É um Harém Seinen com visão feminina. Seinen? O autor/diretor tentou retratar o que acontece quando se faz sexo não-seguro, em um amor prematuro, junto a dois crimes passionais. É a vida meus caros… Meio melodramática e noveleira, mas é a vida.

Moral da História

Moe “me engana que eu gosto”

Depois disso tudo será que alguma mina ainda vai dar tanto vacilo?
Eu vejo sinceramente uma lição de moral . E não é como alguns pensam: “A culpa é da Sekai, caso ela não fosse tão dada assim, o Makoto não ficava tão galinha!”

De ‘quase’ Malhação para Hitchcock, eita final louco e inesperado!

Penso que o autor nos mostra que mesmo o “lado novo” não consegue controlar suas emoções quando perdidamente apaixonada, e acaba cedendo ao “safadeenho“. E por ironia do destino, o mesmo ocorre com a tímida. Ela que tão apegada aos valores de “negar-se a si mesma em razão de um homem”, acaba enlouquecendo, e assim como a Sekai, cometendo um crime passional.

Qual o resultado?

Nenhum dos dois lados é realmente bom, visto que ambas sofreram, uma morreu e outra foi presa — seguindo a linha do anime, a peituda deve ter sido presa depois. Para onde ir? O meio meninas! Nem muito lá, nem muito aqui. Nem totalmente tímida, nem totalmente “dada“; escolha seu amado com sabedoria. Ao menos é isso que penso que o autor nos fala durante toda o anime: uma crítica à sociedade japonesa, entre o mundo novo (Sekai) e o velho Japão (Kotonoha).

Defendendo a coitada da Sekai.

Cara de santinha, mas uma devassa a dois — como tem que ser!

É claro que o autor no final tentou fazer o “culpamento da Sekai“. Nossa, ela sabia até que a Setsuna foi a primeira a gostar do safardana! Mas peraê. Se ela viu o cel dele, é claro que ela já estava interessada no mancebo — caso contrário não tinha motivos para olhar. Ficou interessada pelo óbvio: Quando um monte de minas gostam do mesmo cara, todas querem saber “o que ele tem de mais“. E convenhamos que ela sofreu muito até se revelar para ele — aquele beijo no metrô foi lindo!

Ela lutou pelo cara com as armas que tinha, se ‘deu’ para ele na esperança que ele a merecesse. No fim, engravidou — siim, porque essa de cortar a barriga dela e ver que não tinha nada… Ver o quê se o feto mal tinha se formado ainda?! E mesmo não estando grávida, o que poderia tirá-la da depressão?  Exagerei né, rs?!

O único erro dela foi o mesmo de todas as outras — Cara só eu não peguei ninguém naquela festa ;): gostar de um Imbecil e depois matá-lo. O que me faz lembrar a ‘moral da história‘: Meninas, gostem de quem gosta de vocês. E isso não sou eu quem fala, é o autor da história. Enfim, chega de novela por hoje crianças.

Abraços!