Arquivo da tag: saint seiya

Top 3 Aberturas de Animes Inesquecíveis!

Cá estamos nós em mais uma das nossas já famosas top listas. Desta vez com as Top 3 Aberturas de Animes Inesquecíveis! Espero que curtam porque foi feito lembrando aquela ótima vibe da infância. Boa música!

Top 3 Aberturas de Animes Inesquecíveis!

Cavaleiros do Zodíaco

Cdz_[arquivoscdz.blogspot.com]

——————–

[Infância vibes mode on…depois de Clannad virei uma manteiga..]

Cavaleiros do Zodíaco, ou como os otakus-chatos gostam de chamar, Saint Seiya. A saga dos cavaleiros de bronze na defesa da deusa Athena… é engraçado tentar fazer sinopse desse anime porque oras, todo mundo aqui no Brasil conhece!

Essa é uma das aberturas que mais lembro, apesar de que a mais emocionante para mim é essa abertura da Machete... (só para frisar: essa é não é a Primeira Abertura de CDZ na manchete). Mas enfim, taí as duas  versões; a primeira do Angra e a segunda é a da minha infância… No caso aqui no post. Engraçado como hoje em dia não aguento nem assistir um episódio do anime!

Dragon Ball Z

Dragon_Ball_Z_Filme_7_720p_Blu-ray_HUGOKAMUS

Ah os Guerreiros Z! Sem dúvida um dos melhores animes que já vi! E quem não se lembra dessa música? Akira Toriyama realmente estava iluminado ao fazer essa continuação para Dragon Ball, que também é genial e engraçadíssimo.

Palmas para as sagas dos sayadins e claro, para a de Freeza. Simplesmente não consigo esquecer do Galique-hu do Vedita contra o Kame-hame-ha de Goku com Kayoken aumentando “não-sei-quantas-vezes“. Realmente, musicão! E não, ainda não vi Dragon Ball super, nem adianta perguntar.

Fly, O pequeno guerreiro

dragon_quest_dai_no_daibouken_anime_tv_ost

Fly, Fly, Fly…querer a paz que o inimigo destrói“…nossa, muito épico. Fica a curiosidade que a arte do anime, ou o que nós chamamos Character Design, também foi feito pelo Akira Toriyama porque ele fazia também a arte de Dragon Quest, d’aonde esse anime foi inspirado.

Por isso que tinham aquelas conversas entre nós naquela época:  “Aquele desenho que parece com Dragon Ball, mas que é melhor”. Para mim fica até difícil de escolher qual dos animes foi melhor… Acho que Dragon Ball Z acabou sendo um pouco mais marcante para mim, tanto que até hoje eu assisto.


Eu sei, essa imagem do Dimong Tri não tem muito a ver, mas eu não ligo

Outras aberturas muito inesquecíveis, mas que não couberam aqui claro, são a primeira de Digimon, aquela mesma do “Digimon, digitais… ” ahh Angélica… #saudadesdevocê. Sem esquecer da de Pokemon que marcou a infância de muito nerd nesse mundo à fora.

Quando eu olho para trás me pergunto o que as crianças de hoje vão ter para lembrar quando ficarem mais velhas, ou seja, adultas. Será que vão lembrar com carinho do Programa da Fátima Bernardes? Ainda me pergunto qual foi o tamanho da crueldade das pessoas aqui no Brasil que proibiram propagandas de brinquedo e destruindo de vez os desenhos animados — porque eram as propagandas de brinquedos que pagavam os desenhos.

Saudades Eliana… rs

Esse tema da um post, um vídeo ou um podcast? Com certeza dá. Mas por enquanto fiquemos por aqui, como velhos saudosistas despreocupados com as saudades alheias, hehehe.

Abração!

Animes e Roteiros: Roteiros Clássicos (Parte 1) – Entendendo Animes!

Aqui começamos a série sobre os Roteiros de Animes, e como eles podem ser classificados para melhor entendimento, tanto de otakus como de nerds. Na Parte 1 temos os Roteiros Clássicos! Claro que não se trata de uma classificação perfeita, mas a ideia é termos um entendimento dos roteiros de animes. Vem comigo.

fonte:diogo4d.com
Inori. Mais Moe do que isso, Só Sakura. Entendedores vão entender!

Especial Roteiros de Animes

Roteiros Clássicos> Roteiros Modernos> Roteiros Pós-Clássicos> Respostas aos Comentários

Animes e Roteiros: Roteiros Clássicos (Parte 1) – Entendendo Animes!

Eu falei no meu primeiro post que um dos fatores decisivos que me fazem querer ver um anime, ou não, é uma boa construção do seu roteiro, ou seja, como a historia é contada. A história pode até ser um pouco arrastada, com andamento lento, ou mesmo não ter um enredo ótimo. Mas ela precisa ser minimamente inteligente para atrair minha atenção.

Assim sendo, separei três animes: um que sou , o outro que eu tenho um grande respeito pela historia e maneira incrível que é contada, e um terceiro que por ter uma grande legião de fãs, vai permitir com que o pessoal entenda mais ou menos o que estou dizendo.

Acabei por dividir esse post que se trata de um especial sobre roteiros, em três partes, para que ele não ficasse longo demais. A primeira é essa que estamos vendo, sobre Roteiros Clássicos. As outras são: Roteiros Modernos e Roteiros Pós-Clássicos.

Agora lembrando, não vou comentar aqui nada sobre a historia dos três animes, nem dizer o que é bom, ou o que é ruim. Vou ficar somente com o roteiro. Então não teremos spoilers ou debates sobre eles. Então vamos lá!

Primeiro, vamos começar pelo último, vamos falar sobre CDZ, ou como é mais conhecido do público brasileiro, Cavaleiros do Zodíaco,  ou ainda Saint Seiya — que é o nome original. Eu poderia pegar qualquer outro anime com mais idade, como Sakura Card Captors, ou ainda Dragon Ball Z. Escolhi CDZ porque  é um bom exemplo a ser tratado.

Bom, CDZ é um anime Shōnen (explico melhor o que são Shonens, Seinens, etc, neste post), ou seja, se diz que ele é feito visando o público especialmente de garotos. Mas alguns animes de “garotas mágicas” (maho shoujos) também têm roteiros clássicos, como um que eu citei acima.

Roteiros mais demorados

fate zero animekida wallpaper assassin beserker caster
Poderia pegar animes mais atuais, mas que seguem roteiros antigos, como FateZero, mas enfim.

CDZ tem a forma antiga de contar a historia. Não que seja um roteiro ruim, mas simplesmente exige um pouco da paciência de telespectadores como eu, que não gostam de perder muito tempo vendo anime.

Vou explicar melhor. Imagine aquele combate decisivo, onde seu herói preferido vai enfrentar aquele vilão que você gosta mais que o herói que você gosta — vilões são fodões! — e então, antes de começar o duelo super-esperado, eles param, sentam, tomam um chá, debatem sobre a bolsa, ou se a crise irá continuar…

A clássica frase “Eu nunca vou te perdoar!”

narutoimagens05288[4]Claro, nada tão dramático quanto isso, mas temos a discussão clássica dos  animes/japoneses, que fala de honra, de hombridade, de dever, amizade, ou mesmo “nunca vou te perdoar pelo que você fez”. Coisas do tipo — bem shonen.

-Ahh vá, vai dizer que você nunca viu isso num anime?

Essa frase mesmo é um clássico: “nunca vou te perdoar” está presente em quase 60% dos animes de ‘ação’ que eu ví — que não vou mentir, foram muitos. Outra coisa comum dos roteiros antigos e que ainda perturba muito a cabeça dos telespectadores são as temidas explicações.

As Explicações Demoradíssimas e o Sábio Mestre

mestre-beatlesSim amigos, quantas vezes, no meio de um combate, não tivemos a explicação sobre como ‘funciona tal golpe’, ou quanto ‘teremos que elevar o nosso cosmos’ e coisas do gênero.

Ás vezes nem precisa ser num duelo-mortal-ultimate boss, pode ser ali, com a ‘menina de cabelo rosa do anime‘, a Saori  que TE explica, quero dizer, explica para os cavaleiros o que está acontecendo e qual a missão deles.

Amanda Werner, isso que é [desenho] de verdade!
 Ás vezes nem precisa ser a ‘menina-de-cabelo-rosa’ da vez, como temos em Blassreiter, a apaixonante Amanda Werner — pode ser um sábio mestre, ou um sensei, ou qualquer coisa que Nos explique como funciona o “mundo do anime”.

Para mim, tudo isso é muito banal. Claro que os acostumados nem reparam, na verdade sentem falta quando não aparece alguém para TE explicar o que está acontecendo. Mas quantos animes eu deixei de ver por causas dessas explicações enfadonhas não está no mangá.

 

Arthuria…sei.

E sim caros amigos, temos essas explicações de roteiro em CDZ. É fato. É ruim? Ou seja, ela acaba com a historia do anime? Eu realmente acho que não: A historia é ‘bem’ contada no meu modo de ver, apesar de hoje em dia eu não conseguir assistir muitos episódios, porque eu sempre acabo rindo com os dramas do Yoga e sua mãe, do “Morra Seyia”, etc.

Não que eu seja fã de Cavaleiros (como se pode perceber), mas respeito os que gostam e o anime em si. De certo que roteiros assim podem destruir uma boa historia e afastar admiradores como eu — que não são acostumados com os animes mais clássicos.

Um exemplo? Fate-Zero. E apesar de eu não ter aguentado assistir Tsubasa Chronicles (click para ler uma review dele!) e dele parecer ter uma historia cativante, o roteiro é tão, tão, tão… desnecessário. Talvez o mangá não seja tanto assim, mas né?! Cadê paciência?

Conclusão: Ficam assim os Roteiros Clássicos

Gokukoku no Brynhildr -- Do mesmo autor de Elfen Lied
Gokukoku no Brynhildr — Do mesmo autor de Elfen Lied

1) Explicações sempre que possível
2) Diálogos no meio dos combates
3) Costumam ter andamento bem mais linear
4) E outras coisas…

Esses três adjetivos principais não são ruins para muitos otakus mas para pessoas sem paciência como eu, são o terror! Se você não for um otaku nivel-boss, eu recomendo que caia fora! Ou sente a bunda na cadeira e assista com calma, pode ser que ele te conte uma historia realmente interessante.

O ponto crítico que na realidade permite que os “Roteiros Clássicos” não se restrinjam apenas aos animes “Battle Shonen”, ou como  nós chamamos, “animes de ação e porradaria”, é justamente o terceiro da minha lista acima: a linearidade. O anime em si não precisa ser um épico. Pode até mesmo ser um romance shonen, ou em alguns casos, até mesmo um shoujo (romance), mas o ponto que o vai distinguir nos roteiros é sua Linearidade.

Mas como assim? O autor está contando uma história para você: ele não vai te contar algo inesperado. Não há um mistério. Não há mudanças claras, ou “plot twists” que vão te enlouquecer e te deixar perdido — muito pelo contrário! A história vai sempre ser contada do passo A para o passo B, com o maior número de explicações possíveis para que você, que assiste, sempre entenda o que está acontecendo.

E acredite, a história pode até avançar 2 passos à sua frente, mas caso isso ocorra teremos até um episódio inteiro para explicar o que aconteceu, e inclusive os planos de Raito. Certo, Death Note?  O anime pode até ser um Drama como Sola (que tem exatamente este roteiro), ou Gokukoku no Brynhildr (terror, meio suspense), mas se o anime seguir o mesmo “rumo”, ele terá um roteiro clássico.

Linearidade é a palavra, senhores!

A INSUPORTáVEL Kirino e sua amiga chata, rs
A INSUPORTáVEL Kirino e sua amiga chata, rs, em Oreimo.

Entendendo Assuntos Nerd e Otakus da Cultura Pop

O que são Animes Shonen, Shoujo e Seinen?O que são Animes feitos de Visual Novel? Quais são os tipos de Roteiros de Animes? – O que é uma Graphic Novel? – O que são Filmes Space Opera?O que são Épicos, Romances e Novelas? – O que são Animes e Cartoons? — Como são os Desenhos (Cartoons) da Atualidade e do que eles Falam? O que é Tsundere, Yandere, Kuudere e Dandere (Moe) dos Animes?

E só para lembrar: “Roteiros Clássicos” aparecem não apenas em Shonens de Ação, mas como dito acima: também em animes que procuram ter um desenvolvimento inteiramente linear — assim como Oreimo (clique para ver a review dele no site), Zero no Tsukaima, etc. Nos vemos na Parte 2, dos Roteiros Modernos.

Aquele Abraço!