Arquivo da tag: Makoto Ito

School Days – Review: A Tímida ou a Safadinha, qual você Escolhe?

E vamos para mais um “Conversando sobre Animes“, desta vez uma Review bastante completa e com spoilers, sobre School Days. Caso você ainda não tenha visto este anime e queira ler um texto sem spoiler algum, basta ver a Crítica dele. Mas caso você queira spoilers, vem comigo!

Amigas e Rivais! Ahh essa é uma novela…

School Days – Review: A Tímida ou a Safadinha, qual você escolhe?

Olá meus bons amigos e amiguinhas,  vim por mais uma na tentativa humilde de traçar o sentido dessa animação, ou seja, de dizer o que ela quer dizer. Além claro de defender a pobre da Sekai, porque caramba, todo mundo odeia ela. Lembrando que vi esse anime graças à dona Andresa, bjos para ti ;).

Não é o Charlie Harper!

Quem diria que ele abriria um bordel no fim né?!

Antes de tudo, vamos falar um pouco do Makoto. Assim, esqueçam dele ser um cara cheio de manhas e coisas do tipo. Apesar de pegador num harém, o Makoto não é o Charlie Sheen. Não é engraçado nem homem de verdade.

Enquanto ele ia pegando a escola toda eu ia pensando “Será que não vai aparecer nenhuma grávida não é? Além de sortudo, é cagudo esse menino!” Como sou um nerd moralista muito do chato, assisti tenso.

Imagem Moe, fuja para as colinas! — no anime é bem pior…

Torci horrores pela Sekai e depois pela Setsuna — nossa, a cena que ele ‘estupra’ ela prometendo que tomaria conta da Sekai, me enfureceu muito! Claro que depois soubemos que ela gostava dele antes, mas puutz, o insuportável estuprou ela!

Setsuna sou seu fã menina, achei muito kawaai quando você beijou ele! Sobre a Kotonoha, meio que não fui com a cara dela porque bem, não me dou bem com minas tímidas

Mas isso não importa, hehe.

Os Dois lados da História

Alguma mina parece com a Sekai ai? Se tiver, Beijo me liga!

Ao meu ver, o anime nos mostra dois lados distintos: a Kotonoha (tímida e virginal) representa o velho olhar japonês: o não transar antes do casamento, e tudo isso; enquanto a Sekai, que é bem sensual, diga-se, é o outro lado: o fazer sexo pela própria vontade e fazer tudo para conquistar aquele quem ama. Quase ocidental.

No final a historia ‘desandou‘ por conta do ditado máximo: quando um monte de mina quer um cara só, o cara come sem dó nem piedade Mermo. Mas uma questão dentro da questão do Japão Velho VS Japão Novo é o fato desse ser o primeiro harém que eu vi, contado com a visão feminina. Ou seja, quem nos traz a historia não é o Makoto Pegador, mas sim, as meninas que sofrem por se envolverem com ele: como expus na crítica. Logo, sendo uma historia contada por mulheres, o público é o feminino. Ou seja, o diretor nos mostra o seguinte:

“Tu fez sexo porque é gostoso? E o cara q fez manda bem? Cuidado, porque quanto tu engravidar, ele não vai estar nem aí pra você. Pior, ele vai ficar com a mina do Japão Velho, porque ela é ‘santinha‘ e faz tudo o que ele quer…além de passar o rodo quando tu não tiver olhando…”

“Que susto! Dá nele Sekai!”

O diretor nos deixou isso muito claro quando a pobre da peituda simplesmente se anulou por valores antigos — da mãe — onde as mulheres deveriam aguentar tudo pelo seu ‘amado’ — bons tempos, aiai.

Ai bem, depois da pegação geral onde todo mundo Comeu alguém menos EU, a morte foi no mínimo o esperado pelo público feminino — e foda-se, o cara não tinha a mínima ombridade, não era homem, morreu e mereceu! O que me faz pensar que ele é o tipo de homem que Nós não devemos ser… por isso o ecchi para todo mundo assistir e não penas um determinado publico. Como o anime está falando para todos (tanto pelo ecchi, quanto pelo olhar mais feminino de mostrar as visões das garotas sofrendo), e como bem sabemos que crimes passionais são comuns em ambos os sexos.

Classificação do anime

Nem adianta botar essa cara Setsuna…

Agora falando sobre a Classificação dele, ainda não consigo dizer que é um anime harém, romance, drama ou tragédia. Por quê? Oras, bem sabemos que quando um cara pega uma, pega todas mesmo — as minas ficam doidas!

Sem contar que é o primeiro que vejo, onde o cara pega TODAS AS MINAS  — Oh baby yeah, Austin Powers Aproves! Claro que depois eu vi outros com quase essa pegada, como White Album, por exemplo. Mas como disse, Makoto não era homem de verdade. Não penso ser romance visto que somente as minas amavam, e ele nunca amou ninguém.

Como mulher Sofre, nossa!

Não é drama porque a narração feminina não nos leva a sofrer junto com elas. Tampouco é tragédia, porque apesar dela ser ‘esperada’ ela não foi ‘anunciada’. Como assim?

 

A gente podia esperar alguém se suicidando — eu tinha certeza que a Kotonoha ia pro beleléu! Mas não que alguém fosse cometer um crime passional; logo, visto que toda tragédia é uma tragédia por sabermos que vai se dar, não posso chamar de tragédia.

-Então o que é esse anime seu Tassio?

Meus amigos : É um Harém Seinen com visão feminina. Seinen? O autor/diretor tentou retratar o que acontece quando se faz sexo não-seguro, em um amor prematuro, junto a dois crimes passionais. É a vida meus caros… Meio melodramática e noveleira, mas é a vida.

Moral da História

Moe “me engana que eu gosto”

Depois disso tudo será que alguma mina ainda vai dar tanto vacilo?
Eu vejo sinceramente uma lição de moral . E não é como alguns pensam: “A culpa é da Sekai, caso ela não fosse tão dada assim, o Makoto não ficava tão galinha!”

De ‘quase’ Malhação para Hitchcock, eita final louco e inesperado!

Penso que o autor nos mostra que mesmo o “lado novo” não consegue controlar suas emoções quando perdidamente apaixonada, e acaba cedendo ao “safadeenho“. E por ironia do destino, o mesmo ocorre com a tímida. Ela que tão apegada aos valores de “negar-se a si mesma em razão de um homem”, acaba enlouquecendo, e assim como a Sekai, cometendo um crime passional.

Qual o resultado?

Nenhum dos dois lados é realmente bom, visto que ambas sofreram, uma morreu e outra foi presa — seguindo a linha do anime, a peituda deve ter sido presa depois. Para onde ir? O meio meninas! Nem muito lá, nem muito aqui. Nem totalmente tímida, nem totalmente “dada“; escolha seu amado com sabedoria. Ao menos é isso que penso que o autor nos fala durante toda o anime: uma crítica à sociedade japonesa, entre o mundo novo (Sekai) e o velho Japão (Kotonoha).

Defendendo a coitada da Sekai.

Cara de santinha, mas uma devassa a dois — como tem que ser!

É claro que o autor no final tentou fazer o “culpamento da Sekai“. Nossa, ela sabia até que a Setsuna foi a primeira a gostar do safardana! Mas peraê. Se ela viu o cel dele, é claro que ela já estava interessada no mancebo — caso contrário não tinha motivos para olhar. Ficou interessada pelo óbvio: Quando um monte de minas gostam do mesmo cara, todas querem saber “o que ele tem de mais“. E convenhamos que ela sofreu muito até se revelar para ele — aquele beijo no metrô foi lindo!

Ela lutou pelo cara com as armas que tinha, se ‘deu’ para ele na esperança que ele a merecesse. No fim, engravidou — siim, porque essa de cortar a barriga dela e ver que não tinha nada… Ver o quê se o feto mal tinha se formado ainda?! E mesmo não estando grávida, o que poderia tirá-la da depressão?  Exagerei né, rs?!

O único erro dela foi o mesmo de todas as outras — Cara só eu não peguei ninguém naquela festa ;): gostar de um Imbecil e depois matá-lo. O que me faz lembrar a ‘moral da história‘: Meninas, gostem de quem gosta de vocês. E isso não sou eu quem fala, é o autor da história. Enfim, chega de novela por hoje crianças.

Abraços!

School Days – Critica do Anime: Porque Malhação é para os fracos!

E vamos nós para mais uma Crítica aqui no Afontegeek, desta vez sobre o anime School Days. Este é um texto sem spoilers, portanto não precisa ficar preocupado. Se quiser ver a Review sobre o anime com spoilers, basta Clicar Aqui! Vem comigo!

Essa carinha de felicidade é só para enganar, porque elas Sofrem pacas!

School Days – Critica do Anime: Porque Malhação é para os fracos!

E lá vamos nós para mais uma crítica numa série de textos que  tenho aqui no humilde bloguinho sobre animes, como Nazo no Kanojo X e Guilty Crown — cliquem nos links para ler. Mas hoje nós vamos falar de um anime cujo público alvo é…

Essa crítica terá nessa ordem, Roteiro e Direção, Trilha Sonora, Character Design e Personagens, Historia e Enredo, lembrando que sem spoilers. Somente no texto sobre a Review de School Days (com spoilers) que a gente  discute como amigos e com toda a humildade de um simples nerd, o Sentido da obra como um todo.

-E qual o público do anime, afinal?!

Antes disso porém, The Mine Sinopse!

School Days se trata de um um anime meio-Harém/Echii e Seinen (não é  romance, nem tragédia…) que conta a estória do estudante de ensino médio Makoto Ito cujo vem admirando uma mina peituda durante a ida para o colégio, no metrô. O nome da moçoila: Katsura Kotonoha. Ele meio “sem querer” tira a foto da ‘pequena’ pelo celular.

Ao chegar na escola e sentado ao lado da (quero uma para mim!) Sekai Saionji, que acaba vendo a foto também sem querer, promete unir os pombinhos. Depois de ambos se conhecerem graças às intervenções da casamenteira, esta que de boba não tinha nada, pede e rouba como pagamento um beijo, do Charlie Harper japonês…e ai, começaram os problemas.

Agora… Vamos à Crítica!

Roteiro e Direção.

Quero uma Sekai pra mim *-*

Nos últimos tempos andei vendo alguns animes cujos roteiros pareciam seguir uma certa linha de argumentação, mas que depois viraram 180º. Apesar da virada, mantiveram a linha do roteiro. E é quase isso que ocorre nesse belo anime. Apesar de parecer que a história muda de uma hora para outra, ou que mesmo o estilo do roteiro se transforma — de um Roteiro Clássico para um Moderno — a coisa se mantém.

Tanto o roteiro é clássico e comum, quanto a própria história cuja permanece seguindo a mesma linha argumentativa desde o início. Não vou falar mais do que isso… Porque quero falar da história, na História, claaaro! Sobre a Direção, posso dizer que ela foi extremamente inteligente. Apesar de parecer que estamos vendo um Harém, o diretor escolhe por motivos que ficam óbvios depois, dar ênfase ao sentimento das meninas.

Ou seja, se você espera ver um cara feliz se dando bem com as moçoilas, tire o cavalinho da chuva. Aqui o negócio é o inverso. O que vemos são os sentimentos delas, sofrendo muito porque o cara é um pegador. A coisa só não fica insuportavelmente chata porque mais uma vez o diretor ou diretora foi um gênio. Encheu o anime com ecchi não houvesse choro.

Trilha Sonora

Taí um coisa interessante. Eu como bom metaleiro e tocador de violão, acho que tenho um ouvido musical. Pois é, as lembranças não são boas da trilha sonora dessa animação. Não que ela seja ruim/péssima, mas só pelo fato de não chamar minha atenção, posso dizer que foi regular. Também não lembro dela ter atrapalhado enquanto eu assistia. Por incrível que pareça recordo de ótimos minutos de silêncio enquanto via o anime. Fiquemos com regular.

Character Design e Personagens

isso não vai dar certo…

Agora o bicho pega. Eu simplesmente odiei o character design dessa animação. Demorei uns três episódios só para saber quem era quem — tirando a Kotonoha porque ela tem peitos. Até os meninos não se diferenciavam muito das meninas!

Aqueles olhos grandes… Acho que a única coisa que posso falar bem é sobre o ecchi. Não bem como obra de arte — que eu já vi, como em Futari Ecchi — mas tenho certeza que os fãs vão adorar cenas assim: “Meninas sentadas conversando sobre os namorados. O câmera-man japonês vem de baixo da saia e sobe para os olhos. Depois desce para o sutiã…”

Sobre os personagens, o anime não é focado na descoberta sexual do Makoto, ou no que os guris podem sentir. Estamos falando abertamente das meninas aqui. O problema é que ao menos eu, não vi a profundidade necessária para se construir uma personagem. Vou explicar. Um ‘alguém’ que você cria enquanto escreve, não possui somente seus gostos, crenças e motivações. Ele possui toda uma forma de lidar com certas situações, na descoberta do mundo, e tudo influi muito com as crenças anteriores. Complicado não?

Setsuna, sou seu fã! Mas prefiro a Sekai..hehe

Aqui não senti algo assim. Temos “a menina que gosta do cara e vai fazer de tudo para ficar com ele“, “a menina tímida crescida num ambiente cultural japonês clássico“, “a baixinha cheia de sentimentos escondidos”.

E por ai vai. Num termo lógico, digamos que são Representações Gerais de pessoas cujas devam existir. São como ideias que fazemos de algo. Por exemplo, quando digo ‘cadeira‘ falo de todas as cadeiras.

Quando digo ‘menina tímida’ falo de todas as meninas tímidas. E não de uma em especial, cuja maneira de sentir o mundo difere de todas as outras, como você leitora que pode estar me lendo.

Portanto, apesar de haver uma exploração tremenda e excelente do universo feminino, não sentimos elas ‘vivas‘, mas ao meu ver, aspectos gerais de certas personalidades: “A menina que gosta de dar, vai dar; a tímida não gosta de ser tocada”. Etc, etc.

Historia e Enredo

Como mulher sofre…meio novela né?

O enredo se mostrou muito interessante. Por mais que pareça mudar seus caminhos no decorrer da história — eu tomei vários sustos! — ele é muito pontual. Sabe bem quais caminhos está seguindo desde o início, e mesmo que você não perceba num primeiro momento o que deve acontecer, vai gostar do que se dá. Taí, gostei muito do enredo.

A história meus amigos, é que o couro come. Como disse acima, não houve uma mudança de paradigma em momento algum, mas ela vai te espantar; ao menos eu senti esse espanto. De maneira geral, o anime que fala para as meninas — e mantém os meninos assistindo pelo ecchi, porque tem um objetivo próprio — mantém o tempo todo um sentido dual. Que explico melhor na Review (com spoilers).

Conclusão

A Tímida ou a Safadinha, qual você escolhe?

Temos altas doses de ecchi. Adianto que o anime vai te dar alguns (ótimos) sustos. Vai te prender para saber até aonde a pegação do Don Makoto vai parar, ao mesmo tempo que vai te fazer sofrer bastante com as pobres das meninas. Que lado você escolheria? Ser um menina que vai mesmo buscar o seu amor, mesmo que sendo de outra, ou Aquela que por ter sido criada de uma forma mais dura, cresce tímida e é traída pelo seu amado? Você se negaria como pessoa em algum momento, por ele, sendo qualquer uma das duas?

-O público alvo é o feminino, mas por algum motivo, o autor/diretor quer os guris vejam também. Claro que o ecchi é para geral, mas vocês entenderam.

Se recomendo? Recomendo pacas, desde que você tenha coração e figado fortes! O final também vale muiito à pena os 12 ep, hehe. E só posso falar mais da obra dando Spoiler…Então clique aqui para ver o Conversando sobre Animes de School Days, que já está online! E ele não é bem um harém, não é romance, não é tragédia nem drama. Por quê? Só teremos a resposta no Conversando sobre o sentido da obra 😉

Ficha do Anime:
Light Novel/Autor:Tome Okada
Mangá/Autor:Sakazuki Homare
Anime/Direção: Keitaro Motonaga
Estúdio:TNK/ Nº de episódios: 12

Nota do anime:
8,0/10 na escala Geass,
onde só Code Geass é 10, 🙂

Abraços!