Arquivo da tag: heavy metal

Destiny, Stratovarius – Resenha: O Encontrar do próprio Destino!

Continuando a série de resenhas do Stratovarius, que teve início com o mítico Visions, cá estamos com álbum que mais gosto dos caras: Destiny! Espero que finalmente possam se encontrar ao ler esta review, e principalmente ao ouvir (e ler as letras) do Stratovarius!

Destiny, Stratovarius – Resenha: O Encontrar do próprio Destino!

destinywallResenhas de Álbuns do Stratovarius

Visions> Destiny> Infinite

Mais uma vez é motivo de imenso orgulho poder falar de outro álbum maravilhoso. Desta vez, cá estou para falar deste deleite do power metal, o mitológico ábum: Destiny, da banda finlandesa, é claro, Stratovarius.

Uma das coisas que mais admiro no Stratovarius, se é que não deixei claro na resenha do Visions, é que os caras sabem mesmo como fazer letras. A maioria, se não todas as letras tanto do Visions quanto do Destiny são maravilhosas. Aliás, para quem é fã e conhece toda a discografia dos caras, sabe que as letras deles são um primor.

Destiny

– Letras: Timo Tolkki

(Em Inglês e Espanhol, mas eu advirto, leia a letra toda!)

Refrão

Every second of day it is coming your way
(Cada segundo do dia está vindo na sua direção)
Future unknown is here to stay
(O Futuro desconhecido está aqui para ficar)
Got to open your mind
(Abra sua mente)
Of you will be led to astray
(Ou você vai se perder)
There’s a time to live
(Existe o tempo de viver)
There’s a time to die
(Existe o tempo de morrer)
But no one can escape the Destiny
(Mas ninguém pode escapar do Destino)

It’s time to say goodbye
(É hora de dizer adeus)
I know it will make you cry
(Eu sei que isso vai te fazer chorar)
You make your Destiny
(Você faz seu próprio Destino)
I know you’ll find the way
(Eu sei que você vai encontrar um jeito)
And outside Sun is bright
(E do lado de fora, o Sol brilha)
The things will be allright
(As coisas vão melhorar)
I will be back one day to you
(Eu voltarei um dia para você)
So please Wait For me
(Então por favor, Espere, por mim)

Do que versam as Letras do Stratovarius

Algumas falam do Tempo (Hands of Time), outras do Universo (Infinity), e algumas da Natureza (SOS). Ainda outras falam de amor, falam dos dias que nossa paixão nos faz uma falta danada (Coming Home). Ainda há as que falam de coisas terríveis como as Dreamspace, Twilight Time e Night Time Eclipse (suicídio). Enquanto há aquelas que falam do místico que nos dá esperança, como a Visions (Southern Cross), e outras… que falam do Destino.

SOS (Clipe)

– Letras: Timo Tolkki e Timo Kotipelto

Refrão

Why don’t we see what’s going on?
(Por que não vemos o que está acontecendo?
There are not so many years to be wasted
(Não exitem muitos anos mais para serem perdidos
Until the damage is done, and the beauty is gone
(Até o dano ser completo, e a beleza se esvair por inteira!)

E claro… tem aquelas que eu adoro, que nos colocam pra cima, que nos fazem não desistir nunca, como Tomorrow, Hunting and High Low, Awake the Giant, Know the Difference (“NEVER GIVE UP WIHTOUT A FIGHT!”). E exatamente por essas letras tão sublimes, que vão da mais pesada dor até o mais alto dos sentimentos, que este que vos escreve, é um fã vendido do Stratovarius.

Para mim, Timo Tolkki (ex-guitarrista e ex-líder da banda) além de fazer riffs inconfundíveis (você ouve o cara e sabe quem está tocando!) é um dos melhores letristas do power metal… do heavy metal. Aliás, do mundo da música. Enfim… vamos falar um pouco da história do Destiny e depois das melhores músicas (como vocês podem ver, as que mais gosto já estou bem aqui!).

A História do Destiny

Assim como o Visions, Destiny também é um álbum bastante premiado — diria eu que depois do Visions a galera deve ter esperado arduamente o próximo trabalho dos caras. Pois então, Destiny é o sétimo álbum de estúdio do Stratovarius e foi lançado em 5 de outubro de 1998.

Cold Winter Nights

Letras: Timo Kotipelto

Refrão

I have to find a way how to survive
(Eu tenho de encontrar uma forma de sobreviver)
I am surrounded by the starlight
(Estou cercado pelas luzes das estrelas)
I have to find the path
(Eu tenho de encontrar um caminho)
and to escape from the Cold Winter Nights
(e escapar, dessas Noites frias de Inverno)

Ele alcançou o NUMERO UM no Finnish albums chart (Finlândia) e lá ficou durante 17 semanas! Enquanto o single SOS ficou no segundo lugar e permaneceu por lá durante 11 semanas! Também vale citar que Destiny aparece também no German albums chart. Ou seja… estamos falando de um álbum sucesso de público pessoal.

Um pouco sobre o power metal do Straovarius

Então… estamos falando aqui de algumas músicas que eu sinceramente mais gosto, além de serem realmente maravilhosas. Eu até esqueci de falar um pouco do “estilo” do Stratovarius na primeira review. Basicamente, vocal fininho, riffs trabalhados e solos virtuosos, teclados míticos e bateria que varia da batida de heavy metal, até o clássico bumbo duplado que eu tanto amo.

4000 Rainy Nights

Letras: Timo Tolkki

Refrão

4000 Rainy Nights
(Durante 4000 noites chuvosas)
4000 Nights I´d be with you
(por 4000 noites chuvosas eu estaria com você)
4000 Rainy Nights with you
(por 4000 noites chuvosas eu estaria com você)

Se no Visions o destaque realmente são os teclados, os rifss e claro os vocais de Kotipelto, eu diria que no Destiny todo mundo está no mesmo nível altíssimo de virtuosismo. E como vocês podem perceber, caso eu continue falando só virão adjetivos positivos kk.

As músicas do Destiny

Destiny e Save Our Souls

destinywall2

Das músicas, vale citar a lindíssima Destiny (que muitos dizem ser a primeira, ou uma das primeiras do metal a contarem com um coral… acredito eu ser um coral de crianças, logo no começo da música) e que vamos combinar, tem uma das letras mais incríveis de toda a história do Metal. Eu posso falar porque já ouvi muita coisa, do Death até o White Metal. E Destiny meu Deus do céu, é um primor.

Segue com a lindíssima SOS (Save Our Souls) que também tem uma letra de cair o queixo (o refrão além de ser mito, o Kotipelto ainda dá uma “subida” incrível no final!) falando sobre a Natureza (tema recorrente), No Turning Back que é bem power metal, com teclados e bateria.

As “power metal na veia”

Stratovarius - Destiny - CD

Rebel, Play With Fire e Cold Winter Nights, cada uma falando de um tema diferente, mas todas também levadas no estilo clássico do power metal — solos virtuosos, teclado, bateria e vocal inspirado.

Na primeira falando sobre o que é ser Rebelde de verdade, aconselhando a sempre manter a cabeça erguida; Play with Fire, daquelas músicas de amor, desta vez aconselhando para “não brincar com o fogo”, e fechando com a que eu adoro Cold Winter Nights com uma letra meio que falando de sobreviver ao inverno, num jogo meio metafórico e vamos combinar, a música é uma das melhores do álbum.

As Lentas e o Épico no final

Creio que destaque das músicas lentas, vai para 4000 Rainy Nights, que apesar de não ser tão poética como Venus in the Morning tem um refrão bem balada, que eu curto muito.

Anthem of the World

Letras: Timo Tolkki

The setting sun creates another world
(O Sol se Pondo criou outro mundo)
The shadows fall another day is in the end
(A sombra desce, e um outro dia está no fim)
The Paradise is sleeping peacefully
(O Paraíso está dormindo pacificamente)
And one more day is again history
(E mais uma dia, novamente é história)

Refrão

Sing the Anthem Of The World
(Cantem a Canção do Mundo)
But will we ever learn
(Mas sempre nós vamos aprender)
To control our hate and to forgive
(A controlar nosso ódio e a perdoar)
We must learn to find the way
(Precisamos aprender a encontrar o caminho)
To just live another day
(Para viver o outro dia)
And be free like an Eagle in the sky
(E ser livres, como uma Águia no céu)

E o álbum termina com outra épica, Anthem of the World (A Canção do Mundo). Outra vez com um começo de música clássica, no estilo “Stratovarius de ser” com muitos riffs e “conselhos para ser sábio”. Tem um dos refrões mais lindos que já vi e ouvi, terminando com o coro, que imagino ter sido o mesmo de Destiny. E vou parar de falar bem viu kk.

Conclusão

stratovarius_-_destiny_front_inlay

Fiquem com as músicas que mais curto do álbum galera. Este que com certeza é um dos que mais gosto do Stratovarius e que merece uma ouvida de qualquer fã de metal. E agora se preparem, porque esta série de reviews é fechada com o álbum Infinite!

Fonte:
Wikipedia (ING): [Link]

Top 5 Melhores Reviews do Ano! – Retrospectiva 2014 Afontegeek!

Bem-vindos a mais um post do nosso Listas TOP, aonde eu faço uma retrospectiva das melhores reviews de 2014! As reviews são sobre os temas: Animes, Filmes, Músicas, HQs e Livros. Boa leitura!

Top 5 Melhores Reviews do Ano! – Retrospectiva 2014 Afontegeek!

coringa

Antes que comecem os “mimimis”, quero avisar que as reviews são todas postadas aqui mesmo no Afontegeek em 2014, logo, são as que considero como as melhores reviews deste ano. E também tenho que avisar de antemão, que a escolha foi pessoal minha mesmo.

Avisando que o PierrotGluton deve ter suas top reviews do ano e as escolhidas aqui são só as do meu gosto: as que achei mais interessantes. Então é isso, vamos a elas!

Barakamon – Review de Anime: Como uma Criança pode ser tão Kawai?

Barakamon-bg

(Melhor Review de Anime)

Como é bom ser criança… a risada aberta dessa criança é algo que faz o sorriso vir aos lábios de forma espontânea… ela é matreira, mas faz uns comentários muito bons.

Sem dúvida, para mim, apesar de nós termos diversas reviews sensacionais de anime este ano como a Review sobre Fairy Tale feita pelo amigo Waley, e também claro,  as de Suzumiya Haruhi e de Kaibutsu Oujo (Princess Resurrection) feitas pela minha pessoa, a que mais gostei e mais me marcou positivamente, foi essa feita pelo Pierrot.

Objetiva como sempre, clara, mas também emocional e sabiamente descritiva, falou praticamente tudo sobre o anime em poucas palavras, deixando a gente com vontade de ver ele logo que possível. Geralmente sou um fã das reviews do mano, mas essa foi a que mais me deixou com um sorriso aberto e incontido, verdadeiramente emocionado, como o da Naru.

Batman (1989) O Filme – Review: Um Elogio à Loucura

coringa

(Melhor Review de Filme)

Aqui esse elogio (à Loucura) é diferente. Não tem haver com moral, com o não matar mesmo depois de ver sua filha/amiga ser estuprada e ficar paraplégica por causa de um psicopata. Mas sim, de que o mundo não é “certinho”. Nem tudo, nem coisa alguma é simplesmente “normal”, “comum”. Todos temos lapsos, pontos de fissura.

Essa escolha o pessoal pode dizer “Ahh você votou em você mesmo, não vale!”, mas esse ano contamos apenas com ela, a do Edwards Mãos de Tesoura.

Meio que a escolha foi realmente pessoal, pelo motivo de falar da HQ Piada Mortal (cujo filme se inspirou) deixou o texto bem interessante de se ler, relacionando HQ e Filme.

Top 7 As Melhores Trilhas Sonoras do Cinema!

indiana rocky e harate kid trilha wall

(Melhor Review de Música)

Assim que se aperta o play, conseguimos imaginar o mítico professor e arqueólogo Indiana Jones, entrando com seu chapéu por entre alguma fresta de um templo perdido, ou dando socos e ponta pés em saqueadores de antiguidades.

Aqui eu juro para vocês que fiquei na dúvida. Isso porque tivemos as reviews dos seguintes álbuns do Rhapsody esse ano: Symphony Of Enchanted Lands, Dawn of Victory e a do Power of the Dragonflame.

Mas acho que como texto mais completo, mais pesquisado, com maior número de referências e bem escrito realmente ganhou este Top 7 das Trilhas Sonoras dos Filmes.

Batman – Review: O Significado do Batman na Cultura-POP – Um Herói no meio dos deuses do Olimpo!

Batman.o.cavaleiro.das.trevas.02 post

(Melhor Review sobre HQ)

Batman, portanto, Não é um super-herói. A sua própria construção foi pensada para ele ser um herói — acima de tudo Humano. Um Zorro que lutava pelo povo. Um herói que luta por Gottam. Mas como Ulisses, ele enfrenta deuses, seres mitológicos, monstros, e ganha o respeito do Olimpo, pelo bom uso da singela força humana: A Razão — O Batman e seu clássico “Eu tenho um plano“.

Geralmente nós falamos pouco de HQs (só quando é para postarmos noticias, ou para Download ) então é meio que normal termos um texto sobre HQ, e exatamente o texto escolhido. Não que ninguém por aqui leia quadrinhos… O pierrotGluton mesmo como fã da Marvel praticamente leu tudo da safra “antiga” da editora.

Eu mesmo vez ou outra, paro para ler alguma. V de Vingança terminei a leitura outro dia… Mas devo dizer que depois de ler Cavaleiro das Trevas de Frank Miller, como fã do morcegão, eu tinha que fazer um texto sobre a construção do personagem do Batman. E está ai! Espero que curtam!

Planetarian: The Reverie of a Little Planet – Review: Os sonhos que Movem a Humanidade (Visual Novel)

planetarian

(Melhor review de Livro)

Nós não vivemos sem nossos sonhos, sem nossas esperanças do céu. Sem elas somos apenas cascos vazios vagando em busca de coisas para vender, comprar ou se entorpecer no esquecer deste céu negro que cai “chuva ácida”.

Esse ano não tivemos reviews de romances “normais” por aqui no site. Em 2013 porém, tivemos sobre Lucíola e Senhora (José de Alencar) e Dom Casmurro (Machado). Mas não é por falta de leitura (tive de ler 2 romances para a faculdade nesse meio tempo) sem contar os tantos outros que já li — acho que mais por falta de coragem. Fazer uma indicação sobre Grande Sertão: Veredas, não é para poucos, e me falta culhões ainda.

Mas Planterian… é maravilhoso demais e merecia urgentemente um texto por aqui. Lembro como hoje a primeira vez ao ler esse “Conto Multimídia” o quão foi impactante minha impressão. Uma história humana, cativante, profunda e forte. Uma “literatura fantástica” sinceramente acima da média e um dos melhores dramas que já vi. Nota 10! Nunca vou esquecer de Planterian… Tinha que ser da Key!

———————————————–

darth_vader_com_gorro_Natal

Bem pessoal foi isso. Quero agradecer a todos os amigos e amigas que sempre nos visitam e que comentam nossas reviews e deixar aquele forte abraço ao amigo PierrotGluton, que não só me ajuda a continuar o Afontegeek mas principalmente, estamos sempre juntos em vários momentos, nos dando força na vida.

Então é isso, este foi o último post do Afontegeek de 2014. Que mais reviews e posts venham, que este ano seja de paz, sobriedade, saúde e amor para todos nós. Eu como teísta, deixo aquele desejo forte de bem desejar e que Deus sempre conosco esteja.

E que Venha 2015!

Power of the Dragonflame – Resenha: Porque Power Metal também fala de Reis e Dragões!

E lá vamos nós para mais uma resenha da incrível banda Rhapsody of fire. Antes que alguém me pergunte, não, não sou tão fã dos caras. Mas esses álbuns merecem. E para a “Crítica de CD” de hoje, vamos para a resenha do mais-que-perfeito Power of the Dragonflame.

Power of the Dragonflame – Resenha: Porque Power Metal também fala de Reis e Dragões!

Rhapsody Power_of_The_Dragonflame 1

Resenha de Álbuns do Rhapsody:

Symphony Of Enchanted Lands> Dawn of Victory> Power of the Dragonflame

Bem vindos queridos amigos do Afontegeek, para mais uma resenha sobre o Rhapsody. Advirto que esta deva ser a última crítica sobre os caras durante um bom tempo, então, leiam com extrema vontade. Se vocês quiserem dar uma olhada nos textos sobre os álbuns Dawn of Victory ou do Symphony of the Enchanted Lands, basta seguir os links.

De resto vamos logo direto ao assunto. Se no Dawn of Victory tivemos uma diminuição dos “bumbo-duplados”, como comentei na última review, neste álbum de 2002, eles voltaram com toda a força. Acho que eles só eram dessa mesma maneira, ainda no Legendary Tales, ou no próprio Symphony of the Enchanted Lands.

(Steelgods of the last Apocalypse – “WE ARE… WE ARE THE ONES…WHO’LL FACE THE STEELGODS” – essa É MITICA, uma das melhores do álbum!)

Uma coisa interessante, além dos “bumbo-duplados” terem voltado, é um uso maior de recursos “operísticos”. Meio que eles já eram frequentes (o que faz muita gente chamar o Rhapsody de Symphony Metal, termo que discordo para os caras) mas confesso que neste álbum senti muito mais a presença.

Principalmente da ENORME mas também muito interessante Gargoyles, Angels of Darkness, que de tão grande (19 minutos) foi dividida, pelo que entendi bem, em 3 partes distintas: I. Angeli di Pietra Mistica; II. Warlords’ Last Challenge e a III. …And the Legend Ends…

(Rise From The Sea Of Flames – Junto com “The Tyrant” e “Last Apocalypse” uma das 3 melhores do álbum, se não a melhor, e é a *bonustrack – “Baptized in fire is the dark knight who rides in me, against the raging wind”)

Eu devo dizer que como alguém que gosta muito do metal sinfônico (seja ele mais presente em bandas de prog metal, ou mesmo em bandas realmente sinfônicas como o Therion e Epica) que gostei muito. Principalmente a parte do refrão dessa música que é uma coisa linda de se ver.

E claro, querendo ou não, temos as velhas letras sobre reis, rainhas, príncipes e obviamente, dragões. Aliás, fica aqui a pergunta se o Rhapsdoy tem algo com os dragões: a letra da música “Power of DragonFlame” pode ser interpretada de um jeito bastante ocultista, diga-se.

(The Pride of the Tyrant – MÍTICA, uma das 3 melhores do Álbum! – “With my eagles i’ll fly free From snowy mountains to crystal seas”)

Poderia até citar algo que envolvesse mesmo o ocultismo, como o visto no Therion (porque temos uma saudação bem interessante a um “dragonlord”, o que seria mais ou menos como o “senhor de todos os dragões”, o dragão rei). Se bem que chamar um dragão “chefe de todos” de dragonlord é tão estranho, que à primeira vez que vi pensei que fosse “Aquele que é o Senhor dos Dragões”, tipo um rei que os domina.

Se fosse por ai eu podia até pensar em Apocalipse, mas como parece ser mesmo o “rei dragão”, ficamos como se fosse a maior das feras. Mas é tão estranho louvar “o poder da chama do dragão” que juro lembrar na hora do Therion… enfim, não vou me envolver muito nisso, só pode ser coisa de nerd mesmo rs.

(Power Dragonflame – “Rise, rise… rise to the air, Mighty dragon rise!” – também muito boa!)

Tipo “Ohh poderoso dragão…”. Essas letras do Rhapsody são realmente terríveis nerds. E para não me alongar muito, como sempre estão ai algumas das músicas que considero as melhores do álbum.

Abraços a todos e Bom Metal!

Fonte: [Link]

Imaginations From the Other Side – Resenha: Um dos Melhores Álbuns da História do Heavy Metal!

Bem-vindos a mais um “Conversando sobre Música“, ou melhor conhecida como Resenha, aonde eu trato de álbuns que mais gosto. Desta vez trato do mítico Imaginations From the Other Side, do incrível Blind Guardian! Boa resenha e boas músicas!

blind imaginations from

Imaginations From the Other Side – Resenha: Um dos Melhores Álbuns da História do Heavy Metal!

Fico até emocionado de poder falar de um dos melhores álbuns da história de todo o Heavy Metal. Um dos trabalhos mais cultuados ao redor do planeta, sem dúvida o Guardião Cego foi mestre quando o fez. Letras sensacionais, som pesado e poderoso — muitos confundem até com Trash Metal — é o melhor, do melhor do Metal: O incrível Imaginations from the Other Side.

Imaginations From the Other Side

[Imaginações vindas do Outro Lado]

É uma pena que eu não possa falar muito sobre a ‘estória do cd’, porque é sabido que o Blind Guardian sempre utiliza alguma obra de literatura para fazer seus álbuns — Senhor dos Anéis que o diga!

Mas arrisco que tem um pouco de tudo aqui. Um pouco sobre o mundo ‘nerd’ e elementos medievais com uma pitada de Tolkien — saber de verdade, eu não sei, mas esses são os elementos mais comuns nos álbuns deles.

Também se faz preciso dizer que o Blind Guardian é uma banda que penso ser ateia. Posso falar isso por músicas como Valhalla — essa mesma é uma clássico! — Another Holy War do próprio Imaginations, Under the Ice do A night at the Opera, etc. A lista é grande e eu sou um ouvinte da maior parte dos álbuns dos caras.

I’m Alive

Também é interessante dizer que o primeiro nome do guardião cego era Lucifer’s Heritage. E sim, uma das melhores ou a melhor banda ateia que esse metaleiro laico e teísta — sim acredito em Deus pessoal! — tem o prazer de ouvir. Além do Therion que é ocultista e todo mundo sabe, hehe

E as músicas afinal?

blind imaginations

Se vocês ainda não viram, eu coloquei durante todo o post algumas (ou ao menos para mim as melhores) músicas do cd, e agora é hora de fazer uma pequena explanação sobre elas para depois poder fecha o post com dever cumprido.

Pois então, o Imaginations começa arrasador com sua música titulo. O começo e o final dela, como se fossem ‘sinos’ torna tudo ainda mais épico. Passei dias a fio ouvindo.

The Script For My Requiem

Depois temos a I’m Live, que é acima de tudo, feroz. Ouvi demais essa música num dos momentos mais felizes da minha vida, gritando “Sim, eu estou vivo!”. Se bem lembro a música fala de jogos de Rpg e claro de estar vivo! Depois temos a lenta e muito boa A Past and Future Secret com o jeito bardo de ser dos caras, para logo depois…

Blind_Guardian_-_Imaginations_from_the_Other_Side

The Script for my Requiem. Musicão também — “yes i cry!’. Aliás… não vou ficar falando de música por música não. Poder, ferocidade e peso são pouco para falar dessa e também da Born in a Mourning Hall que vem logo depois de Mordred’s song, uma outra música barda.

Born in a Mourning Hall

Sem mais delongas, destaque também para Another Holy War que é simplesmente uma das músicas mais ‘quebra pau’ que eu já tive o prazer de ouvir, para terminar com a barda, And the Story Ends.

Acho que de todo o álbum só não vou muito com a cara da Bright Eyes, mas que ainda sim, não deixa de ser uma ótima canção. Esse é mais um daqueles álbuns que você só tem que apertar play e não fazer mais nada, além de curtir e ser headbenger.

Another Holy War

Posso dizer que o poderoso Thor e o grande Odin abençoaram o Hansi Kürsch — que é um dos melhores vocais de toda a história do heavy metal — e toda a banda do Blind ao fazer nascer esse álbum tão acima da média. Solos rápidos, ‘cozinha’ rápida e pesada, baixo fazendo seu trabalho como deve, somados a esse vocal perfeito do Hansi.

Hei… Você é metaleiro, ou curte boa música? Então pegue esse álbum e ouça do começo ao fim. Entre no mundo bardo, medieval e das grandes fantasias de Tolkien sem medo. Veja por fim, as “Imaginações vindas do outro lado!

Blind_Guardian-Imaginations_From_The_Other_Side-Interior_Frontal

And The Story Ends

Então é isso. Fiquem todos com este maravilhoso heavy metal, com um álbum que fãs do Blind Guardian do mundo inteiro, consideram o melhor trabalho dos caras — eu confesso que fico meio em dúvida entre o Imaginations, o Forgotten Tales e o Nightfall in Middle-Earth… escolha difícil.

blind-guardian-cd-imaginations-from-the-other-side-metalEntão é isso pessoal, Abraços e bom metal!

Fontes:
[Link]
[Link]
[Link]

Top 3 Cantoras Mais Lindas do Heavy Metal!

E cá estamos nós em mais uma das nossas Top listas! Desta vez listei as Top 3 Cantoras mais lindas do Heavy Metal. Certeza que os amigos e amigas vão curtir, sendo metaleiros ou não. Vem comigo!

Top 3 Cantoras Mais Lindas do Heavy Metal!

Simone Simons

Que olhar em dona Simone?!

Nossa, o que dizer da Simone? A dona da voz do Epica (cliquem para uma resenha do Design Your Universe),  ruiva, canta bem um vocal lírico — apesar que gostaria da banda sendo mais Symphonic/Opera Metal do que Heavy Metal com vocal feminino — é simplesmente maravilhosa, linda de mais, e já falei que ela é ruiva?

De 10 fãs de metal, 10 têm sonhos com mulheres ruivas como a Simone. Ela cantou algumas músicas com a melhor banda de metal da atualidade (o Kamelot até a saída de Khan) mostrando seu vocal e sua beleza nos clips que gravaram com eles.
E já disse que ela é ruiva?!

Cristina Scabbia

Que mulher sensual…Nossa!

Vocalista da banda de Gotic Metal Lacuna Coil, e  nem preciso dizer que ela é a mais sexy da lista. A italiana realmente é lindíssima, mas eu confesso que não gosto muito jeito que eles tocam. Não sei, gosto de uma boa cozinha (bateria) e sinto falta disso na banda.

Admiro muito a voz dela — dá aquela sensação de vazio que toda banda de gótico tem que fazer — mas pelo pouco que ouvi dos cds novos, me lembrei da Laura Pausini. Engraçado que elas se parecem, e suas vozes também! Mas taí uma mulher gostosa de mais!

Sharon den Adel

Lindíssima!

Cantora e uma das líderes do Within Temptation — que para mim deixou de ser metal (mesmo) depois do Silent Force, mas continua muito sensacional; e sim eu ainda sinto saudade dos tempos do Mother Earth.

É casada com o guitarrista da banda — não é possível! — e nossa, é maravilhosa de mais! Para completar, essa beldade é sem dúvida a melhor “cantora de fato” dessa lista, e já tem TRÊS (eu disse 3) Filhos! Uma verdadeira fada. E continua linda…aiai…

Tarja Turunen (um Bônus)

A Deusa do Heavy Metal

Todos nós sabemos que ela não é a mais bonita do heavy metal. Todos nós sabemos que até a cantora do Agonist deveria estar na lista por ser um pítel, mas foda-se. Estamos falando da MAIOR E MELHOR CANTORA DO MUNDO DO HEAVY METAL EVER!

Ninguém supera, superou ou superará o que ela já fez no Nightwish (cliquem para ver a uma resenha do álbum Century Child). E para completar — pelo que dizem todos os que entrevistaram-na — ela é um doce! Uma pessoa amabilíssima, que adora seus fãs — comigo incluso! Na verdade, ela é a Musa, a Deusa do Metal. A melhor cantora do Universo. Tarja nós te amamos!

Fiquem com a galeria de Imagens

————————

Alissa White Gluz que era do The Agonist e agora está no Arch Enemy.

Antes que alguém pergunte o motivo de eu ter deixado de lado a primeira (e para mim a melhor) cantora do Xandria, a moça do Theater of Tragedy, a Alissa que agora canta no Arch Enemy, as meninas que cantaram no Therion, ou pior a Emy lee — não considero o Evanescence metal — e até a Pitty… que também não canta metal, quero deixar claro: A lista é minha! Mhahahahaa!

E pô, a Simone é ruiva, a Cristina é sexy, a Sharon é uma fada, e a Tarja é um anjo! Melhor do que isso não fica. Abraços a todos e beijos às lindas amantes do heavy metal!

ps: E parem de ouvir Bieber crianças!
Elas são um bom motivo não?!
ps²: Preciso dizer que todas são uma delícia?!

Melhores Resenhas do Heavy Metal: Nossa Homenagem ao dia do Rock!

Aqui estão selecionadas algumas das melhores resenhas e críticas de Heavy Metal que você pode encontrar. Também alguns especiais e Top listas, como melhores clipes, melhores covers e até mesmo Cantoras mais lindas do Heavy Metal!

Melhores Resenhas do Heavy Metal: Nossa homenagem ao dia do Rock!

Power of the Dragonflame, Rhapsody – Resenha: Porque Power Metal também fala de Reis e Dragões! – Review

Dawn of Victory, Rhapsody of Fire – Crítica de CD: Porque Cavaleiros e Dragões também são Heavy Metal!

Century Child do Nightwish: Um dos melhores Álbuns do Heavy Metal Melódico – Resenha

Symphony Of Enchanted Lands, Rhapsody of Fire – Crítica de CD: Um dos melhores álbuns de Power Metal!

Imaginations From the Other Side do Blind Guardian: Um dos Melhores Álbuns do Heavy Metal – Resenha

Top 3 Cantoras Mais Lindas do Heavy Metal!

Design your Universe – Resenha: O Melhor Álbum do Epica – Review

Shadow of the Moon, Blackmore’s Night – Crítica: Um pouco do Belissímo Folk!

Top 4 Melhores Músicas Românticas (Baladas)

Top 3 Melhores Clipes de Heavy Metal de TODOS os Tempos!

Top 5 Melhores Parcerias e Covers do Heavy Metal – Linkin Park, Therion, Sepultura e Blind Guardian!

Iconoclast, do Symphony X: O vociferar do Metal – Indicação de CD

V: The New Mythology Suit, Symphony X – Critica de CD: O Melhor do Power DARK Metal!

Top 6 Melhores Covers do Heavy Metal: Iron Maiden, Metallica, Nightwish e Muito Mais!

Ecliptica, Sonata Arctica: O Melhor Álbum de Metal do UNIVERSO! – Critica de CD

É isso pessoal, boas reviews e bom METAL!

Top 3 Melhores Clipes de Heavy Metal de TODOS os Tempos!

Bem vindos ao Top 3 Melhores Clipes de Heavy Metal! Mas primeiro, antes que alguém fale, eu não estou medindo aqui pelas músicas, mas pela história dos clips, a qualidade técnica, e o quão bem as músicas se encaixaram neles.

E não, não vou colocar clips de metal mais “pesado” como Dimmu Borgir, ou de um Rock in Roll mais true, como Nirvana ou Pink Floyd; dito isso, vamos a eles.

Top 3 Melhores Clipes de Heavy Metal de TODOS os Tempos!

Pts.OF.Athrty — Linkin Park, Reanimation

Antes que alguém comece, não, não sou fã do trabalho dos caras; mas temos que admitir quando vemos algo realmente muito fodão. Até hoje me lembro do impacto que tive à primeira vez vi que esse clip. Tá certo que os caras fazem sempre clips muito bons, bem elaborados mesmo — só citando In the end e Crawling por exemplo — mas nossa, esse é épico. E não tô nem aí, é New Metal, os caras já tocaram muito antes, e merecem.

 

Ghost Opera — Kamelot, Ghost Opera

Aqui é outra coisa. Eu conheço quase todo o trabalho do Kamelot. Eles com Khan nos vocais são sem dúvida alguma o melhor do heavy metal melódico no nossos dias. Eu poderia escolher clips perfeitos como March of Mephisto, Somewhere in Time — com Simone Simons — ou mesmo o novo clip, The Great Pandemonium. Mas clip, clip mesmo, que eu gosto e vi — deve ter algum outro — são dois, Love you to Death, e esse Ghost Opera. Simplesmente Perfeito. Na boa, volta Roy KHAN!

 

Aerials — System of a Down, Toxicity

E Aqui, Aerials. Assim como Kamelot, eu conheço bastante o trabalho dos caras. Seus clips são sempre maravilhosos, como Spiders, Toxicity, Chop Suey, Boom; Question! por exemplo é incrível, mas nenhum é tão forte quanto Aerials e sua música que só o Soad da época Steal This Album poderia fazer. E sim, não gosto tanto dos dois últimos cds deles, mas ai é gosto mesmo, creio eu, hehe.

————————–

Alguém aí pode reclamar que eu não coloquei clips muito bons, como os do Korn, do Pearl Jeam, Nightwish, Épica, Xandria…mas quem sabe numa próxima oportunidade? Ou mesmo colocando algo mais ‘pesadinho’?

Vamos lá, diga e comente o que achou da minha Playlist de Clips Épicos! Dêem sua opinião para o próximo 3++!

Abraços!

E crianças, parem de ouvir emo!

Top 5 Parcerias e Covers do Heavy Metal

Seja bem vindo/a a mais um Top Listas que sempre vemos por aqui no blog. Desta vez temos os Top 5 Melhores Parcerias e Covers do Heavy Metal. A única coisa que posso lhe dizer é que ele vai te surpreender de sobremaneira. Mas se você gosta de Heavy Metal,  é certeza que você vai curtir!

Top 5 Parcerias e Covers do Heavy Metal

Roots Blood Roots, Sepultura – Álbum Roots
Sepultura e Luciano Pavarotti

Roots
Roots

Durante anos eu pensei que esse cover tinha sido feito com o próprio Pavarotti ainda na época que o Max estava no Sepultura. Sim eu pensei que era Real e não um cover.

Mas na que na verdade ele feito por uma banda alemã chamada JBO. O pessoal do Sepultura confirmou isso ainda no distante ano de 2006: que realmente se trata de um cover. E que cover! Direto de um dos melhores álbuns do Sepultura.

Fonte: Aqui

Flesh Of The Gods, Therion – Álbum Deggial
Therion e Hansi Kürsch vocal do Blind Guardian

Deggial
Deggial

Aqui não tem nenhum mistério ou segredo, realmente é o vocal da banda Blind Guardian (Hansi Kürsch) com o mítico Therion. É ouvir e admirar.

KRWLNG, LINKIN PARK – Album Reanimation
Linkin Park e Serj Tankian do System of a Down, ou será com Aaron Lewis?!

reanimation
Reanimation

Eu sinceramente continuo achando que se trata de Serj Tankian, do System of a Down nos vocais. Mas as fontes nos dizem que se trata de Aaron Lewis… Devemos acreditar nelas.

Enfim, para mim e outros fãs do LP, se trata mesmo do Serj… Ou ao menos seria da hora se fosse. Até ouvindo uma música do Aaeron, parece-me um estilo muito diferente do que ele executou no ‘feat’, mas enfim, fontes são fontes. E que música perfeita!

Late Redemption – do Album Temple of Shadows
Angra e Milton Nascimento

Temple of Shadows
Temple of Shadows

Sem dúvida um dos melhores trabalhos do Angra. O Temple of Shadows ganhou vários prêmios ao redor do mundo, e nossa, a voz do Grande Milton Nascimento é Imperiosa.  Bem que o Milton, podia voltar a fazer metal uma vez ou outra.

Winds of Destination – Álbum Temple of Shadows
Angra e Hansi Kürsch vocal do Blind Guardian

Temple of Shadows
Temple of Shadows

Outra música com ‘feat’ do épico álbum Temple of Shadows.
Agora com o vocal do Blind, que pelo jeito, adora fazer um feat com a galerinha por ai. E sim, outra música incrível de um dos melhores álbuns de metal que já pude ouvir.


Eu poderia postar outros ‘feasts’ clássicos, como os do Epica com o Kamelot, mas eu vou deixar esses — que acho que são em umas três ou quatro músicas! — para talvez um próximo post. Afinal, todo ouvinte de metal sabe, que o Kamelot teve alguma influência no nascimento do Epica… hehe.

Abraços pessoal, nos vemos no próximo post.