Arquivo da tag: harém

Denpa Onna to Seishun Otoko – Review: São as Mulheres a Beleza e o Mistério do Mundo?

Taí uma review de anime que adorei escrever. Falar um pouco sobre Denpa Onna to Seishun Otoko é sempre um prazer. Sem dúvida alguma, um dos melhores haréns que eu já vi e que sempre recomendo a amigos e amigas. Deem uma lida neste texto e se encontrem com o Mistério e a Beleza do Mundo!

denpa onna
Muito Moe, Belo e Mistério nesse Harém

Denpa Onna to Seishun Otoko – Review: São as Mulheres a Beleza e o Mistério do Mundo?

Pois é meus amigos finalmente a crítica de Denpa Onna. É interessante dizer que neste Harém Seinen (o anime veio de uma Light Novel Seinen, diga-se), eu recordo que tem um sentido de obra, ao meu ver, mais difícil de ser retratado do que o encontrado em Madoka Magica — por isso a demora do texto.

Mas já que estamos aqui, vamos direto ao ponto. Esta Crítica que NÃO terá Spoilers, conta com Roteiro e Direção, Trilha Sonora, Character Design e Personagens, Historia e Sentido da obra.

mas Primeiro Minha Sinopse

O herói da vez
O herói da vez

Na história, o herói do harém da vez se chama Makoto Niwa. Ele foi para a cidade de sua tia para morar com ela porque seus pais estão viajando a trabalho. Chegando lá, ele descobre que sua tia querida, a linda gostosa Meme Touwa TEM UMA FILHA!

E sim, a filha dela ‘mora’ num colchão (Futon) e não sai de casa. Sua priminha, acabou sumindo durante seis meses e não tem memória do que aconteceu o.o. Quando ela reapareceu, apareceu fascinada por Aliens! A linda e Moe Erio Touwa!

Roteiro e Direção

Erio Touwa olhando o céu...
Erio Touwa olhando o céu…

Apesar de eu ter visto o anime há bastante tempo, algumas coisas não saem da memória. A primeira delas é o completo fascínio que o Roteiro causa. Ele é do estilo Moderno, (o que mais gosto): não explica as coisas com aquele requinte de “chatice” que estamos acostumados (como por exemplo falar durante ‘horas’ como o poder tal funciona).

O Roteiro segue contando tudo aos poucos. E daí vemos a construção não só da história como também dos personagens. Os dois se formando aos nossos olhos, a medida que Makoto Niwa vai descobrindo as coisas. E claro, como todo roteiro moderno temos o Mistério. Na verdade este anime é sobre os Mistérios do Mundo.

A Esper (todas são moe no anime, rs. -- é proposital)
A Esper (todas são moe no anime, rs — é proposital)

Da Direção, cada personagem principal teve seu próprio arco e motivação contada aos poucos. Foi bem dividido, e devo dizer que por conta do Roteiro Moderno, nem um pouco exaustivo. Adorei saber a forma como o diretor resolveu contar a história: dividida e ao mesmo tempo interligada.

Apesar de uma aparente mudança na direção com o aparecimento da Esper, o argumento do anime se manteve e no fim o diretor idem — Esper são pessoas que pesquisam fenômenos paranormais; vixe!

Trilha Sonora

denpa_onna_01Muito boa. A abertura mas principalmente a Endyng é um deleite. E pelo que lembro, os sons que ‘brilham’ junto com as imagens foram escolhidos a dedo. Não recordo tanto da trilha no decorrer do anime — mas a sensação das músicas+cenário era maravilhosa. Até aqui um sonoro Muito bom para Roteiro, Direção e Trilha Sonora.

Character Design e Personagens

denpa charactersFalar o que do Moe do anime, digo, do Character Desing? Só lembrando que o Moe não é o Kawaai, ou seja o fofinho e infantil. Moe é a provocação, a leve presença erótica, mas sem Ecchi, são as Pin Ups por exemplo. E no anime muitas vezes ele assume o sentido do Belo nas mulheres — quase todas as personagens femininas tem o moe, e por vezes se mostram em cenas do realmente serem Belas.

Isso é ser Moe e não ser Ecchi
Isso é ser Moe e não Ecchi… tá certo, é quase um echi.. é o melhor do moe!

Certamente não dá para falar de todas as personagens femininas, contudo fica a questão séria de que todas, têm seus mistérios. Mais do que isso, todas tem suas motivações, razões e amores. Claro que apesar de ser um harém, acho que dá para ser perceber os motivos diferentes que as levam, cada uma, a gostar do rapaz.

Dá pra acreditar que ela é a mãe da Erio?
Dá pra acreditar que ela é a mãe da Erio?

Destaque para a Tia, a dona Meme, que vai render momentos hilários — sim o anime é muito engraçado — e também maravilhosos. O arco dela é um dos melhores. Assim como sua filha Erio, que vai demonstrar todo o argumento do anime: do mistério que faz parte do mundo e o Belo das mulheres.

Uma linda mulher comendo do fruto do amor...
Uma linda mulher (Ryuuko Mifune) comendo do fruto do amor…

Mas gosto da menina Maekawa (a altona) e também da Ryuuko Mifune, a menina extremamente moe. Uma coisa interessante deste anime, é que não posso falar: “os personagens são ideias gerais, como ‘a tímida’, ‘a bonitona’“. Nada disso. Aqui cada uma é uma. São realmente personagens bem feitos, e até certo ponto complexos — mesmo a Esper (Yashiro Hoshimiya) tem algo especial.

Historia e Sentido da obra

Denpa-Onna-to-Seishun-Otoko
O herói tentando salvar a donzela…rs…e ela mora num Colchão (Fúton)! Não sei porquê, sinto que dava para fazer um batidão de funk…

A História é no seu todo linear. Como deixei claro, com o roteiro moderno e direção que dividiu o anime em arcos interligados, conseguimos compreender bem toda a lógica por trás de tudo — claro que não por inteiro, porque o anime fala dos mistérios, e como sabemos, alguns nós descobrimos, outros não. 

denpa30
O belo que é recorrente no anime

Sobre o Sentido, fiquei em dúvida. O anime apesar de mostrar a questão do Belo e da Beleza — o Moe é proposital — nas mulheres, temos também a questão dos mistérios não descobertos do mundo. Fiquei pensando: “As mulheres no anime algumas vezes são retratadas como o Belo no mundo“. E são na vida também, diga-se.

denpa12
O Fascínio — sim fazemos cara de bocó mesmo.

Então aos olhos de nós homens, o mistério está nas mulheres — afinal todas têm seus segredos. E como elas são o Belo para nós, e se delas é que de fato surgem as questões sem resposta — ao menos no anime — eu sou forçado a dizer que elas são nosso mistério, nosso belo, e nossa busca.

Mas aí eu estaria jogando fora a questão da lógica do anime, dos questionamentos do mundo sem aparente solução — afinal o mundo possui suas perguntas sem respostas.denpa15Digamos que… sim elas são nosso Belo e nosso Mistério. Mas elas também têm suas questões, suas dúvidas, seus porquês. E é isso que mais nos fascina nelas (seus segredos “invioláveis”) — eu não sei vocês, mas senti tanta poesia e filosofia nesse negócio todo, que dá para entender o porquê considero esse anime mais difícil que Madoka.

denpa19
Lindo sorriso

Espero que tenham gostado e sim, indico muito Denpa Onna!
ps: Elogio às mulheres? Fascínio? Quem sabe?!

Não sei os amigos, mas essa menina
Essa menina (Maekawa, a Altona) me lembra muito a Urabe de Nazo…

Fontes e Ficha do Anime:

Autor da Light Novel: Hitoma Iruma
Ilustrador: Buriki
Diretor do Anime: Shinbou Akiyuki
Wikipédia Pt-BR: [Link]
Wikipédia ING: [Link]
My Animelist: [Link]

Nota: 8,5-9,0

Galeria de Imagens (Click para Ampliar)

Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White – Review: Como não gostar de uma mulher Sábia?

Vamos agora para a review de Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White no nosso “Conversando sobre Animes“. Dá até saudade falar deste harém que foi um dos que mais gostei. É sempre um prazer fazer boas indicações de animes! Boa leitura!

Quem ficou com ele? A Tsundere ou a menina doce que cuida d eum pokemon?
E o mundo inteiro achou que ele ia ficar com a loirinha…ainda bem que não, rs!

Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White – Review: Como não gostar de uma mulher Sábia?

Lá vamos nós para os texto que gosto de fazer. As críticas sempre dão um pouquinho mais de cansaço, portanto poder fazer um “conversando sobre animes” é sempre prazeroso: Aqui o Link da Crítica (sem spoilers) para quem ainda não viu. Vou logo avisando, este texto está repleto de Spoilers, logo leia por sua conta e risco.

Rota da Miu

mashiro-iro-symphony-the-color-of-lovers-03

Vou falar primeiro sobre a Amaha Miu. O anime foi feito usando a rota dela. Lembra que ele foi feito baseado num game Visual Novel Eroge? O anime usa a rota dela para contar a história, portanto nada mais normal que eles terminem juntos mesmo. Foi um ótimo trabalho do diretor, usando a rota da Miu mas preservando a historia como um todo. E sem precisar recorrer ao ecchi ou ao hentai que o game deve ter; ele ficou apenas no romance e construiu bem o argumento do anime por inteiro.

E eu confesso que de todas, a Miu é a que mais gosto! Doce, gentil, forte porque em nenhum momento revelou que gostava dele — ela sabia que as meninas gostavam dele também — sempre foi paciente, esperando “a vez dela”. A coisa foi tão interessante que em certo momento eu achei que ela ia dar um fora no Shingo! Vejam só! Seria o primeiro harém aonde a personagem escolhida ia dar um fora no rapaz!

(Trad: Seria estranho eu dar tchau assim, então, está tudo bem se formos para o parque de novo?) -- SIM!!!
(Trad: Seria estranho eu dar tchau assim, então, está tudo bem se formos para o parque de novo?) — SIM!!!

Mas o mais legal dela, é que ela era a única mulher de todas ali. A Sena e a Inui simplesmente não sabiam lidar com o Shingo. A verdade é a que Inui parecia amar ele mas tinha medo. A impressão foi que elas em geral, por talvez estudarem num colégio só para meninas, não sabiam lidar com garotos.

Talvez fosse esse o motivo da Sena não querer eles lá — ao ver que o Shingo, o rapaz que ela gostou à primeira vista também estudaria lá, ela entrou em parafuso — uma com medo, outra confusa.

Um dos ótimos momentos do anime -- Sim eu achei que ele fosse levar um fora!!!
Um dos ótimos momentos do anime — Sim eu achei que ele fosse levar um fora!!!

Mas além disso, a Miu era mais madura. Não por trabalhar ou  saber lidar com homens, ela era mulher já, no meio de meninas. O Shingo não se apaixonar por ela seria burrice, ao meu ver.

Contudo foi comovente ver como a Sena percebeu que o Shingo gostava da Miu. E será que a Sena pensou que talvez a Miu fosse mulher de mais para o caminhãozinho dele, e lhe desse um pé na bunda? Enfim, a Miu deixou o não acreditar que ele também a amava e o bem querer das outras meninas, para aceitar o cara, afinal, ele era prestativo!

Um Easter egg inesperado

O Pokémon!
O Pokémon!

Vem direto do amigo Ueda que me indicou Mashiroiro. Ele falou sobre o gatinho esquisito que parece um pokémon: a Pannya-chan, que não falei nada até aqui. Para mim ela sempre foi o lado amoroso da Miu e o cuidado com o meio ambiente — fala sério, o episódio final é um saco.

mashiro2Mas Ueda me explicou que a Pannya-chan representa cada um de nós que viu o anime. Como se nós estivéssemos dentro do anime, compartilhando a visão dela, sendo a Pannya-chan. E o final dela se despedindo do casal — que agora já havia amadurecido ainda mais — é uma forma simbólica preparada pelo autor, para dar um adeus dele e da equipe, para nós que acompanhamos tudo. Nas palavras do Ueda “quem sabe, talvez um até breve“.

A Sexy Miu, a Surpresa, o Moe e como o Amor Dói!

Esse episódio foi muito bom!
Esse episódio foi muito bom! E haja censura, rs!

E falar mais o quê da Miu? Sexy, Moe, nua, vendo o Shingo voltar e dizer: ‘ah é você?’ E do beijo dele apertando a bundinha dela? Nossa…Aquilo foi extremamente mítico! É assim mesmo que se beija uma mulher como a Miu. Orgulho viu!

Ali sim, ao meu ver, foi o final. O episódio 12 pode ter todo o apelo simbólico do adeus, mas nunca gostei daquele gato esquisito e o final foi um saco. O episódio 11 que foi de fato o final, na minha opinião.

Eitaa!
Eitaa!

Outra coisa interessante, foi que apesar da trama começar com a Sena e ela ser muito presente na história, desde algum ponto do inicio que o autor já nos vinha dizendo quem o Shingo iria ficar, e vice-versa — ele ficava mais confortável com a Miu, que era mais madura que todas as outras, como eu já falei mais de mil vezes. E sim! Austin Powers Aproves! Oh Baby Yeah!

E por que tanto moe meu Deus? Por que elas são tão Kawaai assim? Nossa…Salvo mesmo a Sena, a irmã dele, e a Miu.

Claro, o Amor Dói!

E haja sofrimento...
E haja sofrimento…

Também não posso deixar de falar sobre “como o amor dói”. Além do “ser prestativo e cavalheiro atrai minas” — o que é uma das verdades — uma das coisas que lembro é que Todas as meninas sofreram. E olhe que tem tempo que vi o anime. Acho que a maid foi a que menos sentiu, mas no geral, deu dó de quase todas!

E por fim, os finalmentes.

Shingo, porque não basta ser cavalheiro, tem de ser prestativo!
Shingo, porque não basta ser cavalheiro, tem de ser prestativo!

Agora que temos o sentido da obra de que o amor é puro, quando verdadeiro, paciente e apaixonado — e a mina é sexy claro. Também que Mulheres de verdade atraem Cavalheiros e vice-versa. E sobre as outras meninas penso que crescer é uma constante e todos aprendem com o primeiro amor e os pés-na-bunda que se levam  — tá parecendo auto ajuda isso!

Vivenciar o amor mesmo o não correspondido, penso que nos diz o anime, já nos permite crescer um pouco mais. E eu concordo.

A Mãe da Miu (Amaha Yuiko) e um dos poucos momentos engraçados do anime -- Poooxa nem sei de quem gosto mais, se da mãe ou da filha, rs (Trad:Então quando é o dia que vamos dormir juntos e nosso relacionamento terá fruto?)
A Mãe da Miu (Amaha Yuiko) e um dos poucos momentos engraçados do anime — Poooxa nem sei de quem gosto mais, se da mãe ou da filha, rs (Trad:Então quando é o dia que vamos dormir juntos e nosso relacionamento terá fruto?)

E Ah…como a Mãe da Miu, a Amaha Yuiko, me causou boa impressão. Dá pra saber da onde a filha pegou tanta beleza. Aquilo que é sogra! De fato, panela velha que faz comida boa!

Enfim, ficamos por aqui, Abraços!

Fontes:
Comentário do Ueda no Animes ADV [Link]
Wikipedia [ING]: [Link]
MyAnimeList:[Link]

Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White – Crítica do Anime: Porque não basta ser Cavalheiro, tem que ser Prestativo!

Bem-vindos à Crítica de Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White, um dos melhores animes haréns que já vi, e que sempre indico para quem quiser e amar o gênero. Lembrando que este texto não tem nenhum spoiler, e caso o amigo ou amiga queria ver um com Spoilers, Basta Clicar Aqui . Boa leitura e bom anime!

mashiro-iro-symphonyMashiro-iro Symphony: Love Is Pure White – Crítica do Anime: Porque não basta ser Cavalheiro, tem que ser Prestativo!

Bem pessoal, depois de ficar meses sem fazer os textos que são o motivo real deste blog, que são as críticas/reviews de anime, venho falar de um dos haréns que mais gosto. É até engraçado trazer algumas palavras sobre Mashiroiro Symphony: Love is pure white, porque esse foi um daqueles animes que sim, o que eu queria que acontecesse, aconteceu! E como isso é raro… Caso você já tenha visto o anime, tem outro Texto Aqui com muitos Spoilers

Outro ponto interessante é o meu gosto por ‘haréns’. Até hoje não sei bem o motivo, mas enfim. Mashiro é um harém que veio de um game Visual Novel eroge de mesmo nome, cujo rendeu três mangás seinens e mais a adaptação de anime que vamos falar aqui — sem contar CDs Dramas. Mas antes de tudo…

Minha SiNopse!!

Eitaa!
Eitaa!

Mashiroiro Symphony começa com o macho alpha da vez, Shingo Uryuu procurando por sua irmã Sakuno Uryū que estava voltando do Shopping. Depois da bateria do celular dela acabar, por ‘sorte’ ela encontra Airi Sena (a Tsundere), que ajuda todo mundo a se reencontrar feliz da vida.

Mas o anime começa porque Shingo e sua irmã que estudam num colégio ‘normal’, estão de mudança para o colégio da Airi que é somente para meninas. Airi num estardalhaço só, filha da diretora, deixa claro que é contra a vinda do pessoal normal para a escola sensacional all-girls dela. Durante o almoço e chateado ele conhece uma garota mais velha que procurava um gato esquisito, e outras que vão aparecendo para formar o harém.

Esta Crítica que NÃO terá Spoilers, conta com Roteiro e Direção, Trilha Sonora, Character Design e Personagens, Historia e Sentido da obra. Aqui o Link da Review com muitos Spoilers!

Roteiro e Direção

A Mãe da Miu (Amaha Yuiko) e um dos poucos momentos engraçados do anime -- Poooxa nem sei de quem gosto mais, se da mãe ou da filha, rs (Trad:Então quando é o dia que vamos dormir juntos e nosso relacionamento terá fruto?)
A Mãe da Miu (Amaha Yuiko) e um dos poucos momentos engraçados do anime — Poooxa nem sei de quem gosto mais, se da mãe ou da filha. (Trad: Então, quando é o dia que vamos dormir juntos e nosso relacionamento terá fruto?)

Falando do roteiro. Sinceramente? Ele é extremamente arrastado. Para falar a verdade, só vi roteiros piores em EF: A Tale for Memories por exemplo. Outra coisa que realmente senti falta no anime, foi a total falta de comédia. Nunca entendi como se faz um harém com pouquíssimas cenas engraçadas — as poucas são protagonizadas pela Miu e sua mãe.

Mas ele é ruim assim? Nem pensar. Todas as falas e as cenas bem escolhidas pela Direção, integram um todo coeso, bonito e de fácil compreensão. A verdade é que apesar de parecer ‘demorado’, ele brilha pela escolha correta das tramas do romance, das conversas entre os personagens, e das cenas mais que perfeitas.

Trilha Sonora

Miu e seu gato esquisito que parece um pokémon, e que eu não quero falar dele!
Miu e seu gato esquisito que parece um pokémon, e que eu não quero falar dele!

Como tem mais de um ano que vi o anime, não vou poder falar muito da trilha. Ela não é nenhuma maravilha como Guilty Crown ou Clannad, mas não recordo de ter ficado incomodado. Ela não traz uma sensação condizente com as cenas, como as de Nazo no Kanojo X ou ARIA, ou seja, não é algo marcante para o que acontece no anime. Dou um razoável.

Character Design e Personagens

Sena e seu jeito Tsundere extremamente kawaai
Sena e seu jeito Tsundere extremamente kawaai

Quem ler os meus textos mais antigos, sabe o quanto eu fugi do MOE. Explicando por alto, moe é parecido com o pin-up do início do século XX aqui no ocidente. O que é pin-up? É mostrar, sem mostrar. É sexy com pouco ecchi. É ter uma carinha de anjinho com um sorriso lindo, mostrando que tem uma bela mulher escondida.

Ficou meio poético, mas o moe é geralmente usado para trazer otakus e esquecer principalmente do sentido da história. Para minha sorte, 95% dos animes moe que vi, tinham um belo sentido por trás de tudo.

mashiro symphony todas as meninas
Da esquerda para a direita: Sana Inui (tsun/maluquinha). Miu Amaha (mais velha das meninas que cuida de um ‘pokémon’), Angelina Nanatsu (a maid o.o), Sakuno Uryuu (irmã do rapaz), Airi Sena (Tsundere)

E esse é o caso aqui também. O anime dosa  em todas as as personagens femininas o belo design que possuem — eu diria que há uma forçassão de barra somente na Nanatsu Sewell, a menina maid. Mas ainda assim, o herói da vez torna até ela uma personagem interessante.

Já falando das Personagens, temos um painel clássico: uma irmã — que aqui ajuda o Shingo dando conselhos  — a Tsundere Sena, que me pergunto até hoje porque foi tão contra à união das escolas. Temos a Sana Inui que é meio tsun/meio maluquinha e claro, a Miu que cuida de um pokémon.

E haja sofrimento...
E haja sofrimento…

Cito como interessante em todas as personagens, que elas realmente sofrem com tudo. Eu não vou falar muito para evitar spoileres — até porque o sentido da obra já está chegando — mas é inegável dizer que, apesar de ninguém ter real culpa do que acontece, você sente ‘pena’ das meninas. Mesmo a ‘escolhida’, você consegue sentir o alívio que foi poder demonstrar o que de fato sentia. Ponto para o roteiro e para o diretor que soube bem dosar o moe delas, com o sentimento que elas carregam.

História e Sentido da obra

Me olha assim não Sena! :)
Me olha assim não Sena! 🙂

Temos uma espécie de “easter-eggs” no Conversando sobre Mashiroiro Symphony, então se você já viu esse anime, vejam o post com Spoilers também. Devo começar dizendo algumas palavras sobre a classificação. Apesar da forte carga emotiva do anime, não acho que ele possa ser categorizado como seinen — que é a do mangá, que não vi.

Apesar de animes que vieram de Visuais Novel eroges serem seinen mesmo, e esta ser portanto a oficial dele — Harém Seinen — eu creio que não é para tanto. Não recordo de vermos problemas reais tratados no anime. Eram coisas realmente adolescentes,  e o quinteto amoroso que ele é. Diria que ele é um harém de romance.

Será que a coisa fica mais parelha entre a Tsun e a Moe?
Será que a coisa fica mais parelha entre a Tsun e a Moe mesmo?

Sobre a História, como disse, ela é linear e bem contada. Mas sugiro que preste atenção em cada fala das personagens. Todas são bem dosadas e coerentes. Sobre o Sentido do negócio todo, além de dizer que “o amor dói”,  devo acrescentar que é uma verdadeira aula de como tratar as mulheres.

Claro que têm mais coisas — Sem spoilers! — mas se eu comparasse com School Days, aonde o Makoto é um cafajeste tosco, diria que o Shingo é um perfeito cavalheiro. Digo mais, ele é ‘prestativo’. Não sei se ser prestativo é o principal para se conseguir minas, mas parece ser sem dúvida um dos pontos principais. Acrescente isso ao amor realmente paciente, apaixonado e verdadeiro, que temos mais ou menos como é o anime.

Shingo, porque não basta ser cavalheiro, tem de ser prestativo!
Shingo, porque não basta ser cavalheiro, tem que ser prestativo!

Então é isso. Esse é dos haréns que mais gosto e que sempre recomendo. Apesar de ser meio ‘chatinho’, ele é realmente belo. Mashiroiro é de fato, um romance deveras recomendado.

Abraços!

Fontes e Ficha do Anime:
Visual novel: Palette
Autor dos mangás: Futago Minazuki
Diretor do anime: Eiji Suganuma
Escrito/ Roteiro: Team Rikka
Wikipedia [ING]: [Link]
MyAnimeList:[Link]

Nota: 8,5, porque só ARIA é 10!

School Days – Review: A Tímida ou a Safadinha, qual você Escolhe?

E vamos para mais um “Conversando sobre Animes“, desta vez uma Review bastante completa e com spoilers, sobre School Days. Caso você ainda não tenha visto este anime e queira ler um texto sem spoiler algum, basta ver a Crítica dele. Mas caso você queira spoilers, vem comigo!

Amigas e Rivais! Ahh essa é uma novela…

School Days – Review: A Tímida ou a Safadinha, qual você escolhe?

Olá meus bons amigos e amiguinhas,  vim por mais uma na tentativa humilde de traçar o sentido dessa animação, ou seja, de dizer o que ela quer dizer. Além claro de defender a pobre da Sekai, porque caramba, todo mundo odeia ela. Lembrando que vi esse anime graças à dona Andresa, bjos para ti ;).

Não é o Charlie Harper!

Quem diria que ele abriria um bordel no fim né?!

Antes de tudo, vamos falar um pouco do Makoto. Assim, esqueçam dele ser um cara cheio de manhas e coisas do tipo. Apesar de pegador num harém, o Makoto não é o Charlie Sheen. Não é engraçado nem homem de verdade.

Enquanto ele ia pegando a escola toda eu ia pensando “Será que não vai aparecer nenhuma grávida não é? Além de sortudo, é cagudo esse menino!” Como sou um nerd moralista muito do chato, assisti tenso.

Imagem Moe, fuja para as colinas! — no anime é bem pior…

Torci horrores pela Sekai e depois pela Setsuna — nossa, a cena que ele ‘estupra’ ela prometendo que tomaria conta da Sekai, me enfureceu muito! Claro que depois soubemos que ela gostava dele antes, mas puutz, o insuportável estuprou ela!

Setsuna sou seu fã menina, achei muito kawaai quando você beijou ele! Sobre a Kotonoha, meio que não fui com a cara dela porque bem, não me dou bem com minas tímidas

Mas isso não importa, hehe.

Os Dois lados da História

Alguma mina parece com a Sekai ai? Se tiver, Beijo me liga!

Ao meu ver, o anime nos mostra dois lados distintos: a Kotonoha (tímida e virginal) representa o velho olhar japonês: o não transar antes do casamento, e tudo isso; enquanto a Sekai, que é bem sensual, diga-se, é o outro lado: o fazer sexo pela própria vontade e fazer tudo para conquistar aquele quem ama. Quase ocidental.

No final a historia ‘desandou‘ por conta do ditado máximo: quando um monte de mina quer um cara só, o cara come sem dó nem piedade Mermo. Mas uma questão dentro da questão do Japão Velho VS Japão Novo é o fato desse ser o primeiro harém que eu vi, contado com a visão feminina. Ou seja, quem nos traz a historia não é o Makoto Pegador, mas sim, as meninas que sofrem por se envolverem com ele: como expus na crítica. Logo, sendo uma historia contada por mulheres, o público é o feminino. Ou seja, o diretor nos mostra o seguinte:

“Tu fez sexo porque é gostoso? E o cara q fez manda bem? Cuidado, porque quanto tu engravidar, ele não vai estar nem aí pra você. Pior, ele vai ficar com a mina do Japão Velho, porque ela é ‘santinha‘ e faz tudo o que ele quer…além de passar o rodo quando tu não tiver olhando…”

“Que susto! Dá nele Sekai!”

O diretor nos deixou isso muito claro quando a pobre da peituda simplesmente se anulou por valores antigos — da mãe — onde as mulheres deveriam aguentar tudo pelo seu ‘amado’ — bons tempos, aiai.

Ai bem, depois da pegação geral onde todo mundo Comeu alguém menos EU, a morte foi no mínimo o esperado pelo público feminino — e foda-se, o cara não tinha a mínima ombridade, não era homem, morreu e mereceu! O que me faz pensar que ele é o tipo de homem que Nós não devemos ser… por isso o ecchi para todo mundo assistir e não penas um determinado publico. Como o anime está falando para todos (tanto pelo ecchi, quanto pelo olhar mais feminino de mostrar as visões das garotas sofrendo), e como bem sabemos que crimes passionais são comuns em ambos os sexos.

Classificação do anime

Nem adianta botar essa cara Setsuna…

Agora falando sobre a Classificação dele, ainda não consigo dizer que é um anime harém, romance, drama ou tragédia. Por quê? Oras, bem sabemos que quando um cara pega uma, pega todas mesmo — as minas ficam doidas!

Sem contar que é o primeiro que vejo, onde o cara pega TODAS AS MINAS  — Oh baby yeah, Austin Powers Aproves! Claro que depois eu vi outros com quase essa pegada, como White Album, por exemplo. Mas como disse, Makoto não era homem de verdade. Não penso ser romance visto que somente as minas amavam, e ele nunca amou ninguém.

Como mulher Sofre, nossa!

Não é drama porque a narração feminina não nos leva a sofrer junto com elas. Tampouco é tragédia, porque apesar dela ser ‘esperada’ ela não foi ‘anunciada’. Como assim?

 

A gente podia esperar alguém se suicidando — eu tinha certeza que a Kotonoha ia pro beleléu! Mas não que alguém fosse cometer um crime passional; logo, visto que toda tragédia é uma tragédia por sabermos que vai se dar, não posso chamar de tragédia.

-Então o que é esse anime seu Tassio?

Meus amigos : É um Harém Seinen com visão feminina. Seinen? O autor/diretor tentou retratar o que acontece quando se faz sexo não-seguro, em um amor prematuro, junto a dois crimes passionais. É a vida meus caros… Meio melodramática e noveleira, mas é a vida.

Moral da História

Moe “me engana que eu gosto”

Depois disso tudo será que alguma mina ainda vai dar tanto vacilo?
Eu vejo sinceramente uma lição de moral . E não é como alguns pensam: “A culpa é da Sekai, caso ela não fosse tão dada assim, o Makoto não ficava tão galinha!”

De ‘quase’ Malhação para Hitchcock, eita final louco e inesperado!

Penso que o autor nos mostra que mesmo o “lado novo” não consegue controlar suas emoções quando perdidamente apaixonada, e acaba cedendo ao “safadeenho“. E por ironia do destino, o mesmo ocorre com a tímida. Ela que tão apegada aos valores de “negar-se a si mesma em razão de um homem”, acaba enlouquecendo, e assim como a Sekai, cometendo um crime passional.

Qual o resultado?

Nenhum dos dois lados é realmente bom, visto que ambas sofreram, uma morreu e outra foi presa — seguindo a linha do anime, a peituda deve ter sido presa depois. Para onde ir? O meio meninas! Nem muito lá, nem muito aqui. Nem totalmente tímida, nem totalmente “dada“; escolha seu amado com sabedoria. Ao menos é isso que penso que o autor nos fala durante toda o anime: uma crítica à sociedade japonesa, entre o mundo novo (Sekai) e o velho Japão (Kotonoha).

Defendendo a coitada da Sekai.

Cara de santinha, mas uma devassa a dois — como tem que ser!

É claro que o autor no final tentou fazer o “culpamento da Sekai“. Nossa, ela sabia até que a Setsuna foi a primeira a gostar do safardana! Mas peraê. Se ela viu o cel dele, é claro que ela já estava interessada no mancebo — caso contrário não tinha motivos para olhar. Ficou interessada pelo óbvio: Quando um monte de minas gostam do mesmo cara, todas querem saber “o que ele tem de mais“. E convenhamos que ela sofreu muito até se revelar para ele — aquele beijo no metrô foi lindo!

Ela lutou pelo cara com as armas que tinha, se ‘deu’ para ele na esperança que ele a merecesse. No fim, engravidou — siim, porque essa de cortar a barriga dela e ver que não tinha nada… Ver o quê se o feto mal tinha se formado ainda?! E mesmo não estando grávida, o que poderia tirá-la da depressão?  Exagerei né, rs?!

O único erro dela foi o mesmo de todas as outras — Cara só eu não peguei ninguém naquela festa ;): gostar de um Imbecil e depois matá-lo. O que me faz lembrar a ‘moral da história‘: Meninas, gostem de quem gosta de vocês. E isso não sou eu quem fala, é o autor da história. Enfim, chega de novela por hoje crianças.

Abraços!