Arquivo da tag: camilo castelo branco

Senhora e Lucíola: Romances que marcaram Gerações – Indicação

Depois de falar um pouco sobre Dom Casmurro, já vos trago um texto retratando alguma coisinha sobre esses dois clássicos dentro do romantismo brasileiro. Obras que fizeram parte de várias gerações, provindas do grande José de Alencar: Senhora e Lucíola.

senhora e luciola

Senhora e Lucíola: Romances que marcaram Gerações – Indicação

Já que estou atacando de ‘crítico de romances brasileiros‘, e como tenho alguma leitura diante desses, venho fazer mais algumas considerações sobre duas obras que de certo modo, além de construir o imaginário popular — afinal de contas, Senhora é obrigatório no ensino médio — ajudou em alguma instância a delinear o que viria a ser os romances posteriores.

Como citei no texto sobre Dom Casmurro, há uma diferença entre novela e romance, além de realismo e romantismo. Nesse caso, ambos os romances tratados — ou seja, obras focadas mais em certos personagens — são de origem romântica, bênção e obra de José de Alencar. É bem comum dizer também que as mulheres de Alencar, ou seja, “Senhora”, “Luciola” e “Diva”, meio que ‘ajudaram’ a delinear o começo do realismo no Brasil.

josé-de-alencar

Eu de cá penso que Senhora é um ótimo romance romântico, mas até o final ajuda nos dizer que José de Alencar continua, e muito, seguindo as vieses do romantismo. Realismo mesmo, ao meu ver, só com Machado de Assis.

Enfim, como esse texto não tem a pretensão de ser uma crítica, mas antes, uma motivação para você aí do outro lado ler os referidos romances, vamos tratar hoje de Lucíola e de Senhora. No caso também li Diva, mas dos três gosto muito mais de Lucíola, e como Senhora é Senhora, vá lá então. Lembrando que só vou dar uma opinião, então né?

Lucíola

luciola-jose-de-alencar_MLB

Luciola é um romance narrado pelo personagem-narrador Paulo, que conta a sua história ao encontrar a sua doce cortesã — isso mesmo, ela era prostituta. De começo ele não notou muito que era o caso, mas como sabemos uma coisa assim né?

Não vou dar muitos detalhes, mas a linda Luciola no final se mostrou uma mulher maravilhosa. Posso dizer sem sombra de dúvidas, que seu final é um dos mais lindos que vi e que mereceu, a minha ‘relida’.

luciola-jose-de-alencar_MLB-F

Sem dar muitas spoilers, destaco o apelo emocional que o personagem principal faz sobre seu amor, ou seja, sobre sua cortesã Luciola. Não pretendo contar o enredo do negócio todo, afinal uma sinopse com ‘rapaz se apaixona por cortesã de luxo‘ meio que já deve por si só, despertar a vontade de ler o negócio.

Lendo os textos sobre o romance eu não concordo muito com eles. De certo que a impressão que temos da Luciola, que é a mesma de Paulo, o ‘rapaz apaixonado’, é mesmo que ela é um anjo. Mas garanto que no fim essa impressão dele será validada. Recordo como hoje o sentimento que tive ao ler o final. Luciola foi um dos dramas românticos mais lindos que já pude ler.

Agora, Senhora.

senhora josé de alencar

Acho que todo mundo já teve que ler Senhora não é? De qualquer jeito, é um romance que perpassa por Aurélia — a menina pobre que fica rica por causa de uma herança — Fernando Seixas — rapaz esperto que depois casa com Aurélia porque ela ficou rica, afinal é como acertar na loteria, amar uma moça rica — e também o Lemostio, tutor da Aurélia riquinha e “vilão da história”.

De em comum com esse personagens temos o dinheiro. Uns recebem, outros querem se aproveitar, e de novo, alguém quer usar a grana para se vingar de alguém. Recordo que Lemos é pintado pelo autor com os pincéis mais ‘realistas’ possíveis, enquanto ora havia uma queda para a ‘vingança ressentida’ de Aurélia e o ‘aproveitador apaixonado arrependido’ que era Fernando.

senhora-jose-de-alencar_MLB

Meio que sem spoilers, eu já contei boa parte da história. Não vou falar mais, mas vale dizer que gosto muito do Lemos, costumo gostar dos vilões, e que de fato não gostei do final como todo mundo aí. Mas convenhamos, era uma obra romântica o final tinha que ser romântico.

De identificável nas duas obras, está o clássico das histórias românticas: Primeiro encontro, depois separação, e por fim reunião com uma reconciliação ou um final ‘infeliz’. Esse é o roteiro mais comum de obras românticas e eu garanto que você vê todo dia isso na novela que você assiste na tv.

senhora-jose-de-alencar-serie-bom-livro-editora-atica

Rirando aquelas conversas que vemos em todo resumo sobre as duas obras — conversas de ‘denúncia social’ e esse tipo de coisa — coloco como destaque o cuidado que José de Alencar teve com as duas mulheres. Mesmo que de maneira ‘inocente’ e ‘imaginada’ há um caminho traçado para o perfil delas.

Ele se preocupa muito com suas personagens principais, dando motivações, decisões e conclusões. Acho que vemos pouco isso em ‘mulheres’ na maioria dos romances românticos.

Ambas tiveram que ser forte no decorrer da vida, decidir por si mesmas e motivadas por alguma coisa que as atingiu. Nisso ele foi muito bom, mesmo pecando, ao meu ver, aqui e ali com fantasias idílicas.

Sentido das Obras

"Essas Mulheres" -- Novela da Record que conta com esses três livros de José de Alencar: Lucíola, Diva e Senhora. Eu Confesso que gostei viu, rs.
“Essas Mulheres” — Novela da Record que fala um pouco desses três livros de José de Alencar: Lucíola, Diva e Senhora. Eu Confesso que gostei viu, rs.

De sentido da obra eu arrisco que em Lucíola temos redenção e amor completo, enquanto em Senhora temos decisão e ‘Amor de Perdição se eu for brincar um pouco e citar Camilo Castelo Branco, cuja obra já li e fiz até um texto Aqui no Afontegeek.

Para terminar indico fortemente Lucíola, o final é realmente emocionante e ela é uma personagem de mulher forte, obstinada e cândida. De Senhora, se você for como eu que adora vilões, foque no Lemos, eu mesmo achei ele excepcional.

Então é isso…
Abraços e boa Leitura!

Fonte:
[Link]
[Link]
[Link]

Amor de Perdição: É o que acontece quando Amamos Demais – Indicação

Para você, leitor ou leitora que estiver procurando um bom romance, aqui fazemos uma indicação do livro Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco. Espero que leiam o livro e depois quem sabe voltem aqui para nos contar o que mais curtiram. Sabe quando amamos demais alguém?

amor-de-perdico-camilo-castelo-branco

Amor de Perdição: É o que acontece quando Amamos Demais – Indicação

Olá pessoal, hoje trago até vocês um dos livros que mais influenciou tanto a minha escrita, quanto meu hábito de leitura: Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco. Como fazem realmente anos que eu li essa bela obra do romantismo português, não recordo de todos os fatos da trama — o que seria uma completa burrice de minha parte querer deixar spoilers dela aqui.

-E por que não colocar um resumo dela?
Oras, porque eu quero atiçar o leitor…é tudo um plano!

Então o que farei amiguinhos? Deixo um link de um blog que faz uma analise de Amor de Perdição e Amor de Salvação, ao mesmo tempo que  a trago com um olhar mais critico mesmo, daquilo que eu lembro. Aqui o Link da Análise de ambas.

Primeiro, o romance é romântico, e inspirado em Romeu e Julieta; não, não vou dizer como, então paremos por ai; ele em verdade não é um Romance — que é caracterizado por uma única história, cujos quase todos os acontecimentos se voltam para a própria historia. Um exemplo de um Romance majestoso, é Dom Casmurro (Falo de Dom Casmurro Aqui). Amor de Perdição na verdade é uma Novela. Novela!? Como Assim seu Tassio?

Amor de Perdição é uma Novela!

Novelas tem alguns tramas ao redor, personagens secundários, que em algum momento vão ‘dialogar’ com as personagens da história principal. É mais ou menos isso. A historia central se passa entre Simão e Teresa, e não vou caracterizar os personagens aqui. No meio deles, temos Mariana que esta sim, merece algum destaque. Olho nela quando vocês a lerem.

Nesses três personagens temos bem o que eu expliquei sobre novela — apesar da historia focar Simão e Teresa, Mariana que é só uma personagem secundária, de outro ‘núcleo’ como diria os tele-noveleiros, toma outras cores e outros ares, quando Simão a ‘encontra’.

-Rummm, aiai viu… Duas mulheres, um cara…
[Nem adianta que não vou dizer nada.]

Final Romântico

O final, bem, o final é um final romântico. Não digo para não estragar. Considero ele quase tão belo quanto de outro romance do mesmo estilo, Eurico, o Presbítero, de Alexandre Herculano, que também falei Aqui no Afontegeek. Mas Eurico o considero até pela temática que eu gosto, uma historia melhor.

Já Castelo Branco é um romântico clássico. Por ser antigo, as palavras são difíceis de se entender, mas com o tempo pega-se o costume. Ele não escreve de forma tão irônica como Machado ou poética/musical/filosófica de Guimarães Rosa, mas em certos momentos o leitor vai sorrir, ou vai se envolver totalmente com a leitura, esquecer do mundo, e as palavras vão surgir facilmente.

Conclusão

É gostoso de se ler Camilo, e agora me deu uma vontade de ler Amor de Salvação depois do belo texto que eu indiquei pra vocês. Outra coisa a se dizer, que este é um romance que apesar de em alguns momentos ser engraçado, a depender do leitor — lembra, personagens secundários! — tem fortes tendências góticas, como todo bom ultra-romantismo tem.

Algumas cenas e falas recordo vagamente que parecerão teatrais, mas tudo isso abrilhanta mais o resultado final. Leiam com pouca pretensão, com a alma livre mesmo.

E esqueçam das novelas das 8h!
-E o finaaal, conta aiii!
-NUNCA AMIGUINHO OU AMIGUINHA! Eu quero que vocês leiam!

Enfim, abraços e boa leitura!