Arquivo da tag: airi sena

Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White – Review: Como não gostar de uma mulher Sábia?

Vamos agora para a review de Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White no nosso “Conversando sobre Animes“. Dá até saudade falar deste harém que foi um dos que mais gostei. É sempre um prazer fazer boas indicações de animes! Boa leitura!

Quem ficou com ele? A Tsundere ou a menina doce que cuida d eum pokemon?
E o mundo inteiro achou que ele ia ficar com a loirinha…ainda bem que não, rs!

Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White – Review: Como não gostar de uma mulher Sábia?

Lá vamos nós para os texto que gosto de fazer. As críticas sempre dão um pouquinho mais de cansaço, portanto poder fazer um “conversando sobre animes” é sempre prazeroso: Aqui o Link da Crítica (sem spoilers) para quem ainda não viu. Vou logo avisando, este texto está repleto de Spoilers, logo leia por sua conta e risco.

Rota da Miu

mashiro-iro-symphony-the-color-of-lovers-03

Vou falar primeiro sobre a Amaha Miu. O anime foi feito usando a rota dela. Lembra que ele foi feito baseado num game Visual Novel Eroge? O anime usa a rota dela para contar a história, portanto nada mais normal que eles terminem juntos mesmo. Foi um ótimo trabalho do diretor, usando a rota da Miu mas preservando a historia como um todo. E sem precisar recorrer ao ecchi ou ao hentai que o game deve ter; ele ficou apenas no romance e construiu bem o argumento do anime por inteiro.

E eu confesso que de todas, a Miu é a que mais gosto! Doce, gentil, forte porque em nenhum momento revelou que gostava dele — ela sabia que as meninas gostavam dele também — sempre foi paciente, esperando “a vez dela”. A coisa foi tão interessante que em certo momento eu achei que ela ia dar um fora no Shingo! Vejam só! Seria o primeiro harém aonde a personagem escolhida ia dar um fora no rapaz!

(Trad: Seria estranho eu dar tchau assim, então, está tudo bem se formos para o parque de novo?) -- SIM!!!
(Trad: Seria estranho eu dar tchau assim, então, está tudo bem se formos para o parque de novo?) — SIM!!!

Mas o mais legal dela, é que ela era a única mulher de todas ali. A Sena e a Inui simplesmente não sabiam lidar com o Shingo. A verdade é a que Inui parecia amar ele mas tinha medo. A impressão foi que elas em geral, por talvez estudarem num colégio só para meninas, não sabiam lidar com garotos.

Talvez fosse esse o motivo da Sena não querer eles lá — ao ver que o Shingo, o rapaz que ela gostou à primeira vista também estudaria lá, ela entrou em parafuso — uma com medo, outra confusa.

Um dos ótimos momentos do anime -- Sim eu achei que ele fosse levar um fora!!!
Um dos ótimos momentos do anime — Sim eu achei que ele fosse levar um fora!!!

Mas além disso, a Miu era mais madura. Não por trabalhar ou  saber lidar com homens, ela era mulher já, no meio de meninas. O Shingo não se apaixonar por ela seria burrice, ao meu ver.

Contudo foi comovente ver como a Sena percebeu que o Shingo gostava da Miu. E será que a Sena pensou que talvez a Miu fosse mulher de mais para o caminhãozinho dele, e lhe desse um pé na bunda? Enfim, a Miu deixou o não acreditar que ele também a amava e o bem querer das outras meninas, para aceitar o cara, afinal, ele era prestativo!

Um Easter egg inesperado

O Pokémon!
O Pokémon!

Vem direto do amigo Ueda que me indicou Mashiroiro. Ele falou sobre o gatinho esquisito que parece um pokémon: a Pannya-chan, que não falei nada até aqui. Para mim ela sempre foi o lado amoroso da Miu e o cuidado com o meio ambiente — fala sério, o episódio final é um saco.

mashiro2Mas Ueda me explicou que a Pannya-chan representa cada um de nós que viu o anime. Como se nós estivéssemos dentro do anime, compartilhando a visão dela, sendo a Pannya-chan. E o final dela se despedindo do casal — que agora já havia amadurecido ainda mais — é uma forma simbólica preparada pelo autor, para dar um adeus dele e da equipe, para nós que acompanhamos tudo. Nas palavras do Ueda “quem sabe, talvez um até breve“.

A Sexy Miu, a Surpresa, o Moe e como o Amor Dói!

Esse episódio foi muito bom!
Esse episódio foi muito bom! E haja censura, rs!

E falar mais o quê da Miu? Sexy, Moe, nua, vendo o Shingo voltar e dizer: ‘ah é você?’ E do beijo dele apertando a bundinha dela? Nossa…Aquilo foi extremamente mítico! É assim mesmo que se beija uma mulher como a Miu. Orgulho viu!

Ali sim, ao meu ver, foi o final. O episódio 12 pode ter todo o apelo simbólico do adeus, mas nunca gostei daquele gato esquisito e o final foi um saco. O episódio 11 que foi de fato o final, na minha opinião.

Eitaa!
Eitaa!

Outra coisa interessante, foi que apesar da trama começar com a Sena e ela ser muito presente na história, desde algum ponto do inicio que o autor já nos vinha dizendo quem o Shingo iria ficar, e vice-versa — ele ficava mais confortável com a Miu, que era mais madura que todas as outras, como eu já falei mais de mil vezes. E sim! Austin Powers Aproves! Oh Baby Yeah!

E por que tanto moe meu Deus? Por que elas são tão Kawaai assim? Nossa…Salvo mesmo a Sena, a irmã dele, e a Miu.

Claro, o Amor Dói!

E haja sofrimento...
E haja sofrimento…

Também não posso deixar de falar sobre “como o amor dói”. Além do “ser prestativo e cavalheiro atrai minas” — o que é uma das verdades — uma das coisas que lembro é que Todas as meninas sofreram. E olhe que tem tempo que vi o anime. Acho que a maid foi a que menos sentiu, mas no geral, deu dó de quase todas!

E por fim, os finalmentes.

Shingo, porque não basta ser cavalheiro, tem de ser prestativo!
Shingo, porque não basta ser cavalheiro, tem de ser prestativo!

Agora que temos o sentido da obra de que o amor é puro, quando verdadeiro, paciente e apaixonado — e a mina é sexy claro. Também que Mulheres de verdade atraem Cavalheiros e vice-versa. E sobre as outras meninas penso que crescer é uma constante e todos aprendem com o primeiro amor e os pés-na-bunda que se levam  — tá parecendo auto ajuda isso!

Vivenciar o amor mesmo o não correspondido, penso que nos diz o anime, já nos permite crescer um pouco mais. E eu concordo.

A Mãe da Miu (Amaha Yuiko) e um dos poucos momentos engraçados do anime -- Poooxa nem sei de quem gosto mais, se da mãe ou da filha, rs (Trad:Então quando é o dia que vamos dormir juntos e nosso relacionamento terá fruto?)
A Mãe da Miu (Amaha Yuiko) e um dos poucos momentos engraçados do anime — Poooxa nem sei de quem gosto mais, se da mãe ou da filha, rs (Trad:Então quando é o dia que vamos dormir juntos e nosso relacionamento terá fruto?)

E Ah…como a Mãe da Miu, a Amaha Yuiko, me causou boa impressão. Dá pra saber da onde a filha pegou tanta beleza. Aquilo que é sogra! De fato, panela velha que faz comida boa!

Enfim, ficamos por aqui, Abraços!

Fontes:
Comentário do Ueda no Animes ADV [Link]
Wikipedia [ING]: [Link]
MyAnimeList:[Link]

Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White – Crítica do Anime: Porque não basta ser Cavalheiro, tem que ser Prestativo!

Bem-vindos à Crítica de Mashiro-iro Symphony: Love Is Pure White, um dos melhores animes haréns que já vi, e que sempre indico para quem quiser e amar o gênero. Lembrando que este texto não tem nenhum spoiler, e caso o amigo ou amiga queria ver um com Spoilers, Basta Clicar Aqui . Boa leitura e bom anime!

mashiro-iro-symphonyMashiro-iro Symphony: Love Is Pure White – Crítica do Anime: Porque não basta ser Cavalheiro, tem que ser Prestativo!

Bem pessoal, depois de ficar meses sem fazer os textos que são o motivo real deste blog, que são as críticas/reviews de anime, venho falar de um dos haréns que mais gosto. É até engraçado trazer algumas palavras sobre Mashiroiro Symphony: Love is pure white, porque esse foi um daqueles animes que sim, o que eu queria que acontecesse, aconteceu! E como isso é raro… Caso você já tenha visto o anime, tem outro Texto Aqui com muitos Spoilers

Outro ponto interessante é o meu gosto por ‘haréns’. Até hoje não sei bem o motivo, mas enfim. Mashiro é um harém que veio de um game Visual Novel eroge de mesmo nome, cujo rendeu três mangás seinens e mais a adaptação de anime que vamos falar aqui — sem contar CDs Dramas. Mas antes de tudo…

Minha SiNopse!!

Eitaa!
Eitaa!

Mashiroiro Symphony começa com o macho alpha da vez, Shingo Uryuu procurando por sua irmã Sakuno Uryū que estava voltando do Shopping. Depois da bateria do celular dela acabar, por ‘sorte’ ela encontra Airi Sena (a Tsundere), que ajuda todo mundo a se reencontrar feliz da vida.

Mas o anime começa porque Shingo e sua irmã que estudam num colégio ‘normal’, estão de mudança para o colégio da Airi que é somente para meninas. Airi num estardalhaço só, filha da diretora, deixa claro que é contra a vinda do pessoal normal para a escola sensacional all-girls dela. Durante o almoço e chateado ele conhece uma garota mais velha que procurava um gato esquisito, e outras que vão aparecendo para formar o harém.

Esta Crítica que NÃO terá Spoilers, conta com Roteiro e Direção, Trilha Sonora, Character Design e Personagens, Historia e Sentido da obra. Aqui o Link da Review com muitos Spoilers!

Roteiro e Direção

A Mãe da Miu (Amaha Yuiko) e um dos poucos momentos engraçados do anime -- Poooxa nem sei de quem gosto mais, se da mãe ou da filha, rs (Trad:Então quando é o dia que vamos dormir juntos e nosso relacionamento terá fruto?)
A Mãe da Miu (Amaha Yuiko) e um dos poucos momentos engraçados do anime — Poooxa nem sei de quem gosto mais, se da mãe ou da filha. (Trad: Então, quando é o dia que vamos dormir juntos e nosso relacionamento terá fruto?)

Falando do roteiro. Sinceramente? Ele é extremamente arrastado. Para falar a verdade, só vi roteiros piores em EF: A Tale for Memories por exemplo. Outra coisa que realmente senti falta no anime, foi a total falta de comédia. Nunca entendi como se faz um harém com pouquíssimas cenas engraçadas — as poucas são protagonizadas pela Miu e sua mãe.

Mas ele é ruim assim? Nem pensar. Todas as falas e as cenas bem escolhidas pela Direção, integram um todo coeso, bonito e de fácil compreensão. A verdade é que apesar de parecer ‘demorado’, ele brilha pela escolha correta das tramas do romance, das conversas entre os personagens, e das cenas mais que perfeitas.

Trilha Sonora

Miu e seu gato esquisito que parece um pokémon, e que eu não quero falar dele!
Miu e seu gato esquisito que parece um pokémon, e que eu não quero falar dele!

Como tem mais de um ano que vi o anime, não vou poder falar muito da trilha. Ela não é nenhuma maravilha como Guilty Crown ou Clannad, mas não recordo de ter ficado incomodado. Ela não traz uma sensação condizente com as cenas, como as de Nazo no Kanojo X ou ARIA, ou seja, não é algo marcante para o que acontece no anime. Dou um razoável.

Character Design e Personagens

Sena e seu jeito Tsundere extremamente kawaai
Sena e seu jeito Tsundere extremamente kawaai

Quem ler os meus textos mais antigos, sabe o quanto eu fugi do MOE. Explicando por alto, moe é parecido com o pin-up do início do século XX aqui no ocidente. O que é pin-up? É mostrar, sem mostrar. É sexy com pouco ecchi. É ter uma carinha de anjinho com um sorriso lindo, mostrando que tem uma bela mulher escondida.

Ficou meio poético, mas o moe é geralmente usado para trazer otakus e esquecer principalmente do sentido da história. Para minha sorte, 95% dos animes moe que vi, tinham um belo sentido por trás de tudo.

mashiro symphony todas as meninas
Da esquerda para a direita: Sana Inui (tsun/maluquinha). Miu Amaha (mais velha das meninas que cuida de um ‘pokémon’), Angelina Nanatsu (a maid o.o), Sakuno Uryuu (irmã do rapaz), Airi Sena (Tsundere)

E esse é o caso aqui também. O anime dosa  em todas as as personagens femininas o belo design que possuem — eu diria que há uma forçassão de barra somente na Nanatsu Sewell, a menina maid. Mas ainda assim, o herói da vez torna até ela uma personagem interessante.

Já falando das Personagens, temos um painel clássico: uma irmã — que aqui ajuda o Shingo dando conselhos  — a Tsundere Sena, que me pergunto até hoje porque foi tão contra à união das escolas. Temos a Sana Inui que é meio tsun/meio maluquinha e claro, a Miu que cuida de um pokémon.

E haja sofrimento...
E haja sofrimento…

Cito como interessante em todas as personagens, que elas realmente sofrem com tudo. Eu não vou falar muito para evitar spoileres — até porque o sentido da obra já está chegando — mas é inegável dizer que, apesar de ninguém ter real culpa do que acontece, você sente ‘pena’ das meninas. Mesmo a ‘escolhida’, você consegue sentir o alívio que foi poder demonstrar o que de fato sentia. Ponto para o roteiro e para o diretor que soube bem dosar o moe delas, com o sentimento que elas carregam.

História e Sentido da obra

Me olha assim não Sena! :)
Me olha assim não Sena! 🙂

Temos uma espécie de “easter-eggs” no Conversando sobre Mashiroiro Symphony, então se você já viu esse anime, vejam o post com Spoilers também. Devo começar dizendo algumas palavras sobre a classificação. Apesar da forte carga emotiva do anime, não acho que ele possa ser categorizado como seinen — que é a do mangá, que não vi.

Apesar de animes que vieram de Visuais Novel eroges serem seinen mesmo, e esta ser portanto a oficial dele — Harém Seinen — eu creio que não é para tanto. Não recordo de vermos problemas reais tratados no anime. Eram coisas realmente adolescentes,  e o quinteto amoroso que ele é. Diria que ele é um harém de romance.

Será que a coisa fica mais parelha entre a Tsun e a Moe?
Será que a coisa fica mais parelha entre a Tsun e a Moe mesmo?

Sobre a História, como disse, ela é linear e bem contada. Mas sugiro que preste atenção em cada fala das personagens. Todas são bem dosadas e coerentes. Sobre o Sentido do negócio todo, além de dizer que “o amor dói”,  devo acrescentar que é uma verdadeira aula de como tratar as mulheres.

Claro que têm mais coisas — Sem spoilers! — mas se eu comparasse com School Days, aonde o Makoto é um cafajeste tosco, diria que o Shingo é um perfeito cavalheiro. Digo mais, ele é ‘prestativo’. Não sei se ser prestativo é o principal para se conseguir minas, mas parece ser sem dúvida um dos pontos principais. Acrescente isso ao amor realmente paciente, apaixonado e verdadeiro, que temos mais ou menos como é o anime.

Shingo, porque não basta ser cavalheiro, tem de ser prestativo!
Shingo, porque não basta ser cavalheiro, tem que ser prestativo!

Então é isso. Esse é dos haréns que mais gosto e que sempre recomendo. Apesar de ser meio ‘chatinho’, ele é realmente belo. Mashiroiro é de fato, um romance deveras recomendado.

Abraços!

Fontes e Ficha do Anime:
Visual novel: Palette
Autor dos mangás: Futago Minazuki
Diretor do anime: Eiji Suganuma
Escrito/ Roteiro: Team Rikka
Wikipedia [ING]: [Link]
MyAnimeList:[Link]

Nota: 8,5, porque só ARIA é 10!