Planetarian: The Reverie of a little Planet (Review da Visual Novel) – Os sonhos que Movem a Humanidade

Aqui estamos na Review da primeira Visual Novel do Afontegeek., logo de uma obra feita pela produtora que mais admiro, a Key/ Visual Arts, autora de clássicos como Angel Beats e Clannad. Boa leitura da review da VN de Planetarian: The Reverie of a Little Planet!

planetarian 2Planetarian: The Reverie of a little Planet (Review da Visual Novel) – Os sonhos que Movem a Humanidade

Este é um daqueles textos que exemplificam bem o motivo da existência do Afontegeek: apresentar obras-primas. Hoje temos a que considero a segunda melhor obra-prima da Key, autora de clássicos como Angel Beats, Kanon e Clannad. Vamos falar da Visual Novel (ou Kinect Novel) Planetarian: O sonho de uma pequena Estrela.

Acabei reunindo opiniões de amigos/amigas sobre o que deveria colocar neste texto: foi consenso que eu deveria fazer uma Review bem abrangente. Então trago Sentido da Obra com Spoilers. Mas caso não goste de Spoilers, eles estão em Azul sendo assim basta pular quaisquer textos escritos em Azul e continuar sua leitura sem problema algum.

Lembrando que essa Visual Novel já tem um anime… na verdade são 5 OVAS e mais um filme lançados em 2016. Mas esse texto só trata da Visual Novel.

Visual ou Kinect Novel?

Não cito esse buquê na rival... para deixar a vontade de ler o livro.
Não cito esse buquê na review… para deixar a vontade de ler o livro.

Como explico no Texto sobre Visual Novel, elas são games de conquista. Mas no caso de Planterian temos uma Kinect Novel, a primeira feita e mais uma inovação da Key — que é referência para Animes e Novels. As Kinect Novel na realidade são Livros com Músicas e Imagens (Romances Multimídia aonde você lê e não “joga”). Este é o caso de Planetarian. E logo a estreia é outra obra-prima.

planetarian portugues
Planetarian FanTraduzido para o Português

Já existe uma versão Português-Brasileiro de Planetarian (na verdade Patch-Fantraduzida pela ZeroForcesTranslations) que eu também deixo o Link no fim do texto, assim como ela saiu em inglês para a Steam desde 2014. Lembrando sempre da questão dos Direitos Autorais e que NÃO fazemos Apologia à Pirataria (tanto que só deixo ai o link de path para tradução, feita de fãs para fãs).

Antes de tudo preciso dizer que esta review foi MUITO mais difícil de fazer que a de AngelBeats. Com uma das Trilhas Sonoras mais lindas que já ouvi, e um dos Character Design mais bem feitos que já vi da Key, junto músicas realmente maravilhosas.

“O que você acha do Planetário? Aquele lindo brilhar da eternidade que nunca se apaga, não importa quando… Todas as estrelas em todo o céu estão esperando por você.”

E a OST (trilha sonora) do jogo… ou enfim, da VN é fantástica. Principalmente as músicas Gentle e Song of a Starflight que são verdadeiros primores, mas infelizmente andam bem difíceis de se achar online, principalmente depois que fizeram… O ANIME, como eu já disse lá em cima. Mas mesmo assim coloco uma que encontrei e você pode ouvir ela no decorrer do texto.

Sinopse

planetarian reverie

Estamos em mundo pós-apocalípcto. Você (a estória é em primeira pessoa) é um “Lixeiro” (Junker) que fica procurando coisas que valham alguma coisa para revender ou se sentir bem, como um pouco de “água destilada” (que passarinho não bebe). Não se pode mais ver o céu. O mundo é cercado por drones (robôs com AI “descontrolada” que te atacam sem aviso).

Depois de várias guerras “nucleares” não há mais Estado. Numa dessas vaganças você acaba subindo num prédio para passar a noite. Seu amigo lhe disse para ter cuidado com os robôs que vivem nesta cidade. Esses robôs não são como os drones de combate… eles são algo que não pertence a este mundo. E lá… Você encontra a robozinha “quebrada”, que há muito espera um cliente para seu Planetário.

planetarian01

A estória parece fugir de todo o alicerce de drama construído pela Key e sua principal obra-prima: Clannad e Clannad After Story (vi a versão do anime). Planetarian fica distante das obras ‘animadas’ da Key não apenas pelo tema e sim pelos ‘pés no chão’ que apresenta: sem ‘outros mundos’.

Meu paraíso

Yumemi
Aqui a estória realmente começa.

Planetarian é uma estória com diversos momentos — não vou citar todos. Contudo vou mostrar aqueles que mais me emocionaram, junto com o sentido da história (lembrando que os Spoilers estão em Azul).

A robozinha vamos descobrir que se chama Yumemi-chan e esperou lá por muito tempo, porque foi abandonada no começo da guerra. De tempos em tempos ela liga — e ela liga bem no dia que você passa no planetário dela.

Numa das conversas ela faz uma pergunta que já fez aos humanos que trabalhavam com ela no planetário: Para aonde eu vou depois de morrer? Ora pro céu dos robôs! Mas ela não queria ficar distante dos homens. Não queria ficar com o “deus dos robos”. Ela esteve tanto conosco, ajudando a cada um que passava naquele planetário… com carinho, cuidado, amor… ela queria ficar perto de todos… esperou muito até o “Cliente” (você) aparecer.

O Sonho Humano (E o céu que buscamos)

full-image.phpMas como eu disse, não havia céu naquele mundo. O Lixeiro nunca havia visto as estrelas. Ele assim como todos, haviam perdido aquele sonho mais inerente ao humano. Era a hora dele reencontrar o céu.

Quando ajudou a pequena (chata, quebrada e kawaai) Yumemi-chan a consertar a Jena — o projetor — era a chance de fazer a robozinha e ele, sorrirem — mesmo sem motivo.

“Sim, tem sido assim. Eu realmente acredito que essa ferramenta estava aqui esperando para você usar, Sr. Cliente” “… olha, só ouça o que estou dizendo!” “Sim, o que é?” rsrs – Jena (projetor)

O projetor dos céus funcionou por um tempo, mas quebrou logo. Foi uma rara chance que ele teve de relembrar a mãe. Mas o belíssimo ponto foi ele quebrando, e a Yumemi falando do mundo. Do progresso, da busca humana, do olhar para os céus, dos sonhos. Do carinho, do resguardar, da ética e qualidade humana da qual ele nunca tinha ouvido.

E daí temos já construindo alguns pontos do sentido: A esperança, os sonhos humanos, e o religar.

A saída e o Amor

Kawaai!!
Kawaai!!

Depois disso era tempo do Lixeiro sair de lá. Eu como leitor já estava apaixonado pela Yumemi-chan, mas sabia de não haver motivos para ela junto. Ele “não queria” levar ela. Ela quem quis levá-lo para protegê-lo na viagem. Emocionado com o gesto de dever e afeto, ele aceita.

planetarian ingles 1
“Meu pequeno sonho”

No caminho algo foi crescendo. De uma forma interessante, não recordo dele falar que ama a Yumemi, como em Chobits.

Mas a impressão que tenho é que ele aceitou que ela viesse, porque ele começava a amar ela. No caminho, assim como no Planetário a viagem foi “estafante” porque ela era fraca, caía chuva ácida, e ela falava ‘pelos cotovelos’.

Era como trazer uma flor num mundo escuro. Ele na viagem não diz que a ama, mas não consegue mais imaginar sua vida, a vida de todos, sem a esperança e a verdade que a Yumemi traz — e o seu amigo avisara que esses robôs não eram deste mundo…

A Sacerdotisa e o Religar

Cena lindíssima
Cena lindíssima

Desde o momento em que a Yumemi o fez lembrar da sua mãe, ele no colo dela, ambos tentando olhar um céu que começava a cair chuva ácida, que sabíamos que Yumemi era nossa Sacerdotisa. Nossa “Priestess”. Ela estava lá para religar o humano ao humano, do lixeiro à esperança perdida, o devolver ao homem dos sonhos das estrelas.

Na viagem ele acaba enfrentando um drone gigantesco e pede para a Yumemi se esconder. O combate é emocionante, mas o drone vence. Com a perna ferida e quase morto, a Yumemi intercede — tenta “conversar” com o drone em vão. É morta e fica caída em meio a chuva ácida.

Esse foi o tempo perfeito que o lixeiro usa para atingir o drone com mais uma granada. Mas a Yumemi iria morrer. Aquela que ele não mais imaginava viver sem. O duro para mim não foi vê-la cair Destruída, mas foi a Yumemi contar via holograma sua vida no planetário. Como ajudava crianças, como viu o inicio da guerra, como todos a amavam e não queriam que ela ficasse para trás.

yumemi 3Neste momento eu confesso que fiquei em lágrimas. Yumemi-chan era a sacerdotisa que o religava a sua esperança, a sua humanidade, aos seus sonhos que foram perdidos. E ela sabia da guerra. Sempre soube. Sempre soube que ninguém passaria lá. Mas sempre esperou.

Conclusão e Sentido da Obra

planetarian reverie 1
“Parece como uma… jovem e baixinha mulher.” Planetarian o game que não é game.

No fim eu e o lixeiro nos encontramos. No último pedido dela, ele foi o deus que tirando suas memórias, iria usá-las para mostrar à outras pessoas que há esperança, há os sonhos das estrelas nos céus. Ela não iria ficar distante de nós, no paraíso dos robôs. E continuaria sendo a nossa sacerdotisa, que religa o homem às estrelas!

Planterian como vimos é profundíssimo. Fala da ética e dever humanos que foram colocados e sobreviveram nesta pequena e última sacerdotisa (robozinha).  A última robozinha portadora das 3 leis básicas da robótica. Portadora mais do que isso: Do sentido do humano.

Ela, portanto, tomou para si o dever de religar o humano, ao humano. O dever de ligar o homem ao seus sonhos de observar e “longing for”, de buscar às estrelas.

planetarian espanholNós não vivemos sem nossos sonhos, sem nossas esperanças do céu. Sem elas somos apenas cascos vazios vagando em busca de coisas para vender, comprar ou se entorpecer no esquecer deste céu negro que cai “chuva ácida”.

Ao mesmo tempo um aviso para que não deixemos o mundo terminar assim, é um relembrar, um religar, um esperar em ato — na presença da nossa sacerdotisa, a Yumemi-chan. Uma Esperança… um sonho de uma pequena Estrela.

planetarian 1No fim? Ferido, ele desiste de lutar. Talvez tenha conseguido escapar daquela cidade levando consigo a esperança de sua sacerdotisa. Eu gosto de pensar que ele conseguiu sair e levou-a para todos que precisavam.

ps: O “amigo” do Lixeiro me lembra Meu compadre Quelemém de Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. Alguém muito importante mas que jamais aparece.

planetarian-anime
Imagem dos OVAs

ps²: O fato do Lixeiro/ Cliente não ter nome é sintomático. Fato presente nas grandes obras de Literatura. No anime, talvez justamente por ser um anime (para as pessoas se identificarem mais com ele), o personagem ganha um nome:  Kuzuya.

ps³: Um fato muito interessante a se comentar, é que a Visual Novel de Planetarian foi lançada no distante ano de 2004, e durante muito tempo ninguém jamais imaginou que ela ganharia uma versão animada, e muito menos um Filme em Anime contando parte da sua continuação presente nos seus  Drama CD. planetarian 01

Sem duvida alguma o motivo desta obra-prima ter alcançado às estrelas, se deve ao seu lançamento na steam em 2014 em inglês, o que fez o publico ocidental também conhecê-la, finalmente. Um verdadeiro milagre, devo dizer.

“O que você acha do Planetário? Aquele lindo brilhar da eternidade que nunca se apaga, não importa quando… Todas as estrelas em todo o céu estão esperando por você.” (uma frase de Planetarian).

Nota: 10

Ficha da Visual Novel

Produtora-Autora: Key/ Publicador: Key/ Visual Arts/ Kinect Novel
Ano: Novembro de 2004/ Game: Visual Novel, Kinect Novel
Título Original: Planetarian – Chiisana Hoshi no Yume
(Planetarian – Dream of Little Star)
Títulos das traduções:
Planterian – The Reverie of a little planet
Planetarian – O Sonho de uma pequena Estrela

Fontes

Wikipedia [ENG]: [Link]/ Wikipedia [Pt-Br]: [Link]
Sobre Planetarian: [Link] Visual Novel Database
Sobre Kinect Novel: [Link] Visual Novel Database
ZeroForcesCentral [Site BR sobre VNs]: [Link]
Patch da Tradução Pt-Br de Planetarian [Link] ZeroForcesTranslations

4 comentários em “Planetarian: The Reverie of a little Planet (Review da Visual Novel) – Os sonhos que Movem a Humanidade”

  1. N vi o anime e n sei se vou ver, porque, lendo agora sua critica/review, eu já consegui entender o sentido da obra…..História belíssima…….

    Abração Bruno!!!!!

    Curtir

    1. Pois é, acho dificil que saia um filme ou uma série de OVAs de Planetarian. Eu indico muito a leitura do livro. Agora… eu sei que uma ou duas cenas animadas fariam as pessoas enlouquecerem. A cena dele enfrentando o drone e da yumeme-chan no chão, destruída sob a chuva-ácida… nossa. Aliás, a história merece muito ser animada, até para ser mais conhecida.
      Abração!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.